Soja tem semana de preços históricos e portos com capacidade esgotada no Brasil até maio

Publicado em 27/03/2020 18:14 e atualizado em 30/03/2020 07:58 7694 exibições

LOGO nalogo

A semana foi intensa para a soja, como em tantos outros mercados, acompanhando as notícias que chegam minuto a minuto sobre os desdobramentos da pandemia do coronavírus. Apesar de muito agitada, o saldo foi bastante positivo, com preços historicamente altos e bons negócios sendo efetivados pelos produtores brasileiros.

"Até quarta, o mercado andou bem, fez vários negócios, mas reduziu um pouco o ritmo a partir da quinta-feira (26), com a queda do dólar, cedeu um pouco e nesta sexta-feira (27) também se mostrou um pouco mais tranquilo. E deve retomar o fôlego na segunda-feira. Mais do que isso, o produtor já vendeu bastante e observa as condições para voltar a negociar", explica o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting. 

As referências variaram, nos portos, entre R$ 100,00 no disponível até algo próximo de R$ 106,00 para o agosto. E a China fez boas compras no Brasil para entregas em maio, junho, julho e agosto. "As negociações estão nos melhores momentos da história, e a semana foi muito positiva para o Brasil", diz. 

E além da demanda firme e de prêmios positivos, o dólar que segue muito valorizado frente ao real é o principal motivador de valores tão altos para a soja do Brasil. Esta foi a sexta semana de avanço para a moeda norte-americana e registra um ganho acumulado de 18%, valendo quase R$ 5,13. 

>> Dólar engata 6ª semana seguida de ganhos e salta 18,7% no período

Mais do que isso, com preços tão atrativos e bons negócios, a capacidade de embarque dos portos brasileiros está praticamente esgotada para os próximos meses - março, abril e maio, diante das vendas e embarques recordes - que os sojicultores, que se interessam em vender agora, acabam se retraindo um pouco mais, ainda segundo Brandalizze. 

De acordo com os números da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) divulgados na última segunda-feira (23), o Brasil já embarcou impressionantes 13.791,7 milhões de toneladas, superando largamente o recorde obtido no ano passado, nesse mesmo período, de 12,5 milhões. Somente no mês de março, o volume embarcado passa de 7 milhões de toneladas. Em todo o complexo soja, o acumulado dos embarques é de 16,8 milhões de toneladas, com um faturamento de US$ 2,9 bilhões. 

"Ainda tem aquele produtor que quer vender agora porque precisa de dinheiro agora. Mas a maior parte já está bem vendido e agora prefere esperar. Há insegurança por conta da economia, do coronavírus, e há pouco para negociar (da safra  2019/20) e é normal que ele guarde um pouco para negociar no segundo semestre", afirma o consultor. 

São quase 75% da safra 2019/20 já comercializada e este, para o período, é um percentual recorde. 

INDÚSTRIA BRASILEIRA

Ainda como explica Brandalizze, a demanda no setor de rações também segue muito intensa, principalmente por conta da força das exportações brasileiras de proteína. Embora internamente a demanda por carnes esteja ligeiramente mais limitada, as vendas externas são muito fortes e mantêm a agroindústria nacional bastante ativa. 

E para o analista, o consumo interno aos poucos deverá voltar à sua normalidade, sem causar problemas sérios à produção e o consumo de rações. "A indústria ainda não está coberta até o final do ano e precisa se abastecer", explica Brandalizze. Mais do que isso, o setor tem se articulado de forma a garantir o abastecimento para o brasileiro. 

>> De flores à carnes, consumo no Brasil preocupa todas as cadeias produtivas do agro brasileiro

Além do setor de proteínas, o biodiesel e a mistura do B12 também deverão puxar mais demanda, mesmo com a economia mais fragilizada. 

>> Setor de proteína animal segue trabalhando para garantir alimentos, diz Francisco Turra (ABPA)

>> Demanda por carne de frango e suína segue sustentada, mas isolamento em linha pode trazer impactos

MERCADO FUTURO

E o mercado futuro brasileiro de soja também mantém sua tendência bastante positiva, porém, com variáveis sensíveis a mudanças rápidas, como uma baixa do dólar ou das cotações em Chicago de forma um pouco mais agressiva. 

Em entrevista ao Notícias Agrícolas nesta sexta-feira, o analista de mercado da Agrinvest Commodities Marcos Araújo fez uma completa análise sobre a curva de comportamento dos preços em Chicago, dos prêmios no Brasil e do câmbio na formação das cotações mais adiante. Mais do que isso, explicou que o produtor brasileiro precisa se valer das operações estruturadas de comercialização de forma que possa capturar todas as oportunidades oferecidas pelo mercado. 

Veja a íntegra da entrevista:

>> Soja: Mercado futuro mostra variáveis para preços firmes e sustentados no Brasil

BOLSA DE CHICAGO

Na Bolsa de Chicago, as cotações fecharam o pregão desta sexta-feira na estabilidade, porém, também registraram uma semana intensa e de volatilidade. O vencimento maio/20 fechou com US$ 8,81 e o julho, US$ 8,85 por bushel. No contrato maio, em 10 dias de março, há uma valorização acumulada de 14% e, segndo explica o analista de mercado Adriano Gomes, da AgRural, boa parte desta alta se deu com um suporte vindo de ganhos também no farelo de soja. 

Agora, o mercado espera pelas próximas ações da China e se sua demanda continuará presente no mercado norte-americano para definir suas próximas direções. Na nação asiática, o esmagamento vem retomando sua força e ritmo, com as atividades voltando ao normal depois dos períodos de isolamento social, motivando o setor de alimentos. 

"As margens de esmagamento na China estão bem interessantes. Os estoques diminuíram por lá e no mês de março, a China originou bons volumes do Brasil para esmagar", mas também de olho no mercado dos EUA "buscando soja no mercado americano nas últimas duas semanas, tentando se precaver de qualquer possível atraso no Brasil por conta do coronavírus", explica Gomes.

>> Alta do farelo sustenta cotações da soja em grão e nos últimos 10 dias registra valorização de 14%

Tags:
Por:
Carla Mendes| [email protected]
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário