Demanda pela soja brasileira continua firme, puxando prêmios e preços no Brasil

Publicado em 16/09/2021 17:23 3467 exibições

Logotipo Notícias Agrícolas

As movimentações da soja no mercado brasileiro foram pontuais nesta quinta-feira (16), porém, onde os preços mudaram terminaram o dia com valorização. As cotações subiram no Rio Grande do Sul, parte do Paraná, de Santa Catarina e de Mato Grosso do Sul. Nos demais estados, a maior parte das praças de comercialização terminaram o dia com estabilidade. 

Em Não-Me-Toque/RS, alta de 0,63% para R$ 159,00 por saca; de 1,17% em Ponta Grossa, no Paraná, para 173,00; de 0,62% em Palma Sola, Santa Catarina, e de de 1,24% para R$ 163,00 me São Gabriel do Oeste, em Mato Grosso do Sul. 

Já nos portos, os indicativos permanecem acima dos R$ 170,00 por saca para a safra 2020/21 e acima dos R$ 160,00 para a safra 2021/22, com suporte importante que vem, principalmente dos prêmios para a soja brasileira, que seguem bastante elevados e sustentados pela demanda forte para exportação que se dá neste momento. 

"Os prêmios já subiram mais de 15 cents nesta semana", relatou o analista de mercado Eduardo Vanin, analista de mercado da Agrinvest em entrevista ao Notícias Agrícolas nesta quinta-feira. A China segue buscando a oleaginosa brasileira forte, com mais de dez barcos já tendo sido adquiridos somente nesta semana diante dos problemas logísticos e da falta de oferta nos Estados Unidos. 

"O Brasil tem soja, isso é um ponto importante. Fosse no ano passado, talvez seria diferente", explica Vanin.

E a demanda tende a manter-se forte, ao menos nas próximas semanas, porque os chineses ainda estariam comprando menos do que precisam para este momento - pouco mais de dez barcos semanalmente quando precisariam, agora, de cerca de 30 - e, ainda segundo Vanin, a nação asiática ainda teria que comprar mais 20 milhões de toneladas de soja até o final deste ano e início do próximo para estar com seu abastecimento adequado. 

Mesmo mais caro agora, o Brasil segue como sua principal alternativa já que dos 12 terminais localizados ao longo do rio Mississippi, depois da passagem do furacão Ida, apenas cinco operam dentro da normalidade. Assim, o mercado recebe sinais de que os atuais problemas norte-americanos poderiam se estender para os próximos meses. E também por isso a China já compra soja nos EUA com embarque dezembro. 

O analista explica ainda que as tradings no Brasil, por outro lado, têm tido dificuldade em originar soja no Brasil, uma vez que o maior volume ainda disponível segue no Paraná e no Rio Grande do Sul, onde os produtores estão capitalizados e sem intenção forte de vender agora. "A trading tem o risco de não conseguir originar essa soja mesmo com esse prêmio mais elevado", diz. 

Confira a íntegra da entrevista de Eduardo Vanin:

BOLSA DE CHICAGO

Na Bolsa de Chicago, os futuros da soja terminaram o dia com estabilidade, registrando leves ganhos de pouco mais de 1 ponto nos primeiros contratos, com o novembro sendo cotado a US$ 12,95 e o maio com US$ 13,13 por bushel. 

O mercado perdeu força no pregão desta quinta-feira diante dos números, em partes, fracos para a demanda pela soja norte-americana, como explicam os analistas do portal Farm Futures. "A demanda americana por soja para exportação é questionável. Depois dos recentes eventos, precisamos entender quanto será efetivado e quanto podemos perder para os nossos concorrentes". 

E esses questionamentos surgem diante dos novos números trazidos pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) sobre o acumulado das vendas semanais para exportação na temporada 2021/22. O reporte desta quinta mostrou que em todo ano comercial, o país já comprometeu 22,289,5 milhões de toneladas da oleaginosa, contra mais de 32 milhões do mesmo período do ano anterior. O USDA estima o programa de exportação dos EUA em 56,88 milhões de toneladas. 

E para Eduardo Vanin já é certo dizer que o programa americano de exportação será menor nesta temporada. 

Ainda no radar dos traders estão permanecem as notícias sobre os problemas logísticos nos Estados Unidos, o clima para a colheita por lá e para o plantio aqui no Brasil.

Um reporte do grupo Bom Futuro informa que o plantio da soja foi iniciado logo depois da finalização do período do vazio sanitário, com perspectiva de aumento de área na casa de 2,36%. Os trabalhos de campo começam cedo, mais soja disponível chegará mais cedo ao mercado e os traders também monitoram este quadro. 

Tags:
Por:
Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário