Soja realiza lucros depois da disparada da sessão anterior e acompanha demais commodities nesta 3ª

Publicado em 17/05/2022 07:44

Logotipo Notícias Agrícolas

O mercado da soja devolve parte das altas fortes da sessão anterior e opera no vermelho nesta manhã de terça-feira (17) na Bolsa de Chicago. Perto de 7h30 (horário de Brasília), as cotações recuavam tímidas, entre 3,75 e 5,25 pontos, levando o julho a US$ 16,53 e o agosto a US$ 16,02 por bushel. 

Os futuros da oleaginosa acompanham o movimento de queda do trigo, que cede mais de 1% depois do avanço de mais de 6% no pregão de ontem, e das demais commodities agrícolas, que também realizam lucros hoje depois da disparada de ontem. 

Ainda assim, os traders permanecem muito atentos ao plantio norte-americano 2022/23, que segue lento e com números ainda distantes da média. De acordo com o reporte trazido pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) no final da tarde de ontem, a semeadura da soja foi concluída em 30% da área até este domingo (15), ligeiramente acima do índice esperado de 29% pelo mercado. Há uma semana eram 12%, no ano passado 58%, enquanto a média é de 39%. 

O USDA informou ainda que 9% das lavouras de soja já germinaram, com um avanço em relação à semana anterior de 6 pontos percentuais. Em 2021 eram 19% e a média é de 12%. 

Os plantios de milho e trigo também permanecem lentos e com percentuais distantes da média. E os novos mapas climáticos voltam a mostrar mais chuvas para o Corn Belt nos próximos dias. 

Ademais, permanece a atenção do mercado sobre o conflito entre Rússia e Ucrânia, os lockdowns na China e seus impactos sobre a demanda, bem como ao financeiro ainda muito arisco diante de tantas incertezas. 

Veja como fechou o mercado nesta segunda-feira:

Tags:
Por:
Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário