Soja volta a ceder em Chicago nesta 4ª feira acompanhando perdas do milho e do trigo

Publicado em 25/05/2022 08:07 e atualizado em 25/05/2022 10:48

Logotipo Notícias Agrícolas

Nesta quarta-feira (25), o mercado futuro norte-americano da soja opera no vermelho. As cotações cediam entre 7 e 11,75 pontos nos principais contratos, levando o julho a US$ 16,81 e o agosto a US$ 16,23 por bushel. Os preços seguem apresentando bastante volatilidade e vêm testando os dois lados da tabela nesta semana, de olho nos fundamentos e nos fatores paralelos que ainda seguem influenciando seu caminhar. 

De um lado, os traders seguem atentos ao clima no Corn Belt, o desenrolar da nova safra americana e os estoques apertados de soja que se apresentam nos EUA e no mundo. De outro, atenção aos lockdowns na China e ao aumento do número de casos em Pequim, bem como à continuidade da guerra entre Rússia e Ucrânia. 

Ainda nesta quarta, o mercado acompanha também a baixa entre os derivados de soja, com farelo e óleo recuando em Chicago, o que também ajuda a pressionar as cotações do grão. Além dos subprodutos da oleaginosa, as perdas agressivas do trigo e o milho também em baixa contribuem para o recuo. 

Veja como fechou o mercado nesta terça-feira:

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

3 comentários

  • Angelo Miquelão

    Neste momento a soja opera em baixa, os motivos são a guerra, o covid, o plantio nos EUA, o dólar em queda etc... O interessante são os insumos que continuam a subir, os fertilizantes estão proibitivos. A saca de soja precisaria estar hoje em 250 reais, qualquer coisa abaixo é um descompasso diante dos preços dos insumos. Eu sempre comprei fertilizantes a mais ou menos 20 ou 22 sacas a tonelada, hoje a relação de compra passa das 33 sacas, um absurdo que pode inviabilizar a próxima safra. Realmente o cenário não é dos melhores, a saída pode passar pela redução dos investimentos no plantio, vai-se sacar a fertilidade do solo, sim, vai... Mas é melhor gastar a poupança a que pegar emprestado, no momento certo voltamos a investir na terra.

    0
    • Gilberto Fortis Junior Goioerê

      Quer ver o que vai ser complicada a segunda safra de milho 2023, custos elevadíssimos, clima incerto e pragas cada vez mais incontroláveis!

      0
    • Paulo Roberto Espires Maringá - PR

      Preços de insumos nas alturas, vivemos tempos estranhos na cultura do milho, a cigarrinha está vencendo, cada ano piora e chega mais perto. O pior é que o seguro não cobre ataque de pragas !!!

      0
    • Cácio Ribeiro de Paula Bela Vista de Goiás - GO

      Por isso, Sr. Paulo Rensi, alguma ação NORMATIVA DE CARÁTER TÉCNICO, talvez um VAZIO SANITÁRIO, por exemplo...

      Conforme comentei aqui há uns dias...

      1
    • Cácio Ribeiro de Paula Bela Vista de Goiás - GO

      Perdão, fiz menção ao comentarista errado... Digo, Sr. PAULO ROBERTO ESPIRES..

      0
    • elcio sakai vianópolis - GO

      tempos estranhos e mesmo assim haverá expansão de área de soja. Sendo que área de abertura o custo é bem maior.

      0
  • elias araujo rocha filho Iporá - GO

    Falta estoque de alimentos no mundo, inclusive de soja, mas preço só faz cair...

    1
    • Gilberto Rossetto Brianorte - MT

      Entre a safra passada e a presente, apesar da seca severa no sul do BR e da escassez de produtos, o produtor rural tem recebido MENOS pelos grãos e carnes. Os custos simplesmente DOBRARAM, os juros agrícolas aumentaram 300, 400% (era 3% hoje estão acima de 10%). Então ao meu ver a próxima safra será MENOR que a safra de dois anos passados. Recebendo menos e com custos maiores, não tem como produzir MAIS.

      0
  • elias araujo rocha filho Iporá - GO

    Tem lógica não... Parece notícia plantada, para esfriar o tal do Mercado... Afffff...

    0