Publicidade

Açúcar fecha próximo da estabilidade em NY, mas sobe em Londres nesta 3ª

Publicado em 14/09/2021 15:03 175 exibições
Mercado acompanhando as movimentações do financeiro na sessão, apesar de seguir atenção aos fundamentos

Logotipo Notícias Agrícolas

Os contratos futuros do açúcar encerraram a sessão desta terça-feira (14) próximos da estabilidade na Bolsa de Nova York, mas com alta moderada em Londres. O dia foi ampla oscilação com foco no financeiro e ainda seguindo alguns fundamentos.

O principal vencimento do açúcar bruto na Bolsa de Nova York registrou queda de 0,15%, cotado a US$ 19,66 c/lb, com máxima de 19,90 c/lb e mínima de 19,51 c/lb. Em Londres, o tipo branco registrou alta de 0,85%, negociado a US$ 499,20 a tonelada.

O dia foi marcado por altas e baixas para os futuros do açúcar no mercado internacional, mas a tendência de queda, quase na estabilidade, prevaleceu na Bolsa de Nova York, apesar de valorização moderada no terminal londrino.

Do financeiro, o mercado acompanhou as oscilações entre baixas e altas nos futuros do petróleo. O óleo mais baixo tende a fazer com que as usinas diminuam a produção de etanol e elevem a oferta de açúcar no mercado internacional.

Além disso, o dólar subia sobre o real, o que tende a encorajar as exportações das commodities, mas pesa sobre os preços externos.

"O potencial de produção reduzido do Brasil ainda está impactando o mercado, mas o dólar americano mais forte torna o açúcar mais caro em termos de moeda local", destacou em informativo o analista da Price Futures Group, Jack Scoville.

Descarregamento de açúcar bruto em Hilla, Iraque 21112017 REUTERSKhalid al-Mousily
Preços do adoçante no mercado interno seguem valorizados em meio oferta escassa - Foto: Reuters

Além disso, "os preços do petróleo bruto, recentemente mais fracos, significam que os preços do etanol podem trabalhar mais baixos", complementou o especialista.

Nos fundamentos, os operadores também estão atentos em cenários importantes, como as dúvidas com a demanda pelo adoçante, além da safra brasileira atual, que será menor, e as expectativas para a próxima temporada.

Publicidade

Além disso, no cenário internacional, repercute a informação que a França,  maior produtora de açúcar da União Europeia, deve colher 33,12 milhões de toneladas de beterraba este ano, um aumento de 26,4% ante 2020.

MERCADO INTERNO

A baixa disponibilidade de açúcar no mercado brasileiro segue ditando as altas do adoçante, segundo o  Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea, da Esalq/USP).

"Do lado da demanda, a insegurança quanto ao abastecimento interno tem levado compradores a pagar preços mais altos no spot, o que reforça o movimento de avanço dos valores", disse o centro.

Como referência, na véspera, o Indicador CEPEA/ESALQ do açúcar, cor Icumsa de 130 a 180, mercado paulista, teve alta de 1,48%, a R$ 142,17 a saca de 50 kg.

No Norte e Nordeste do Brasil, o açúcar ficou estável, a R$ 134,93 a saca, segundo dados levantados pela consultoria Datagro. O açúcar VHP, em Santos (SP), tinha no último dia de apuração o preço FOB cotado a US$ 19,15 c/lb e alta de 1,04%.

» Clique e veja as cotações completas de sucroenergético

Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário