Produtor de tourinhos desconhecia recolhimento de Funrural no mercado de reposição e teme quebrar se tiver que aderir ao Refis

Publicado em 28/03/2018 10:55 e atualizado em 28/03/2018 18:01
2387 exibições
Em negócio com produtores de recria e engorda, nunca teria sido informado da necessidade de recolhimento, sobre o boi magro, que serve de parâmetro fiscal. Já no negócio do boi gordo, naturalmente que era de seu conhecimento. Em 2018 ainda não vendeu animais, mas só o 1,5% já comerá sua margem, diante dos custos de 60/70% por cabeça, mais as despesas com descarte e seleção. Ele calcula 150 tourinhos prontos a partir de julho.
Confira a entrevista com Orivaldo Mello - Produtor Rural

Podcast

Produtor de tourinhos desconhecia recolhimento de Funrural no mercado de reposição e teme quebrar se tiver que aderir ao Refis

Download

LOGO nalogo

O pecuarista Orivaldo Mello, de Campo Grande (MS), está enfrentando um problema em relação ao Fundo de Apoio ao Trabalhador Rural (Funrural): ele, que trabalha no mercado de boi magro, não sabia que deveria fazer a contribuição referente a esse tipo de negociação, por não se tratar de um animal terminado. Em 2017, a operação passou a ser cobrada e, até então, o produtor vem enfrentando esse caso.

Nem Mello e nem o comprador descontavam a contribuição por desconhecimento dessa necessidade neste tipo de operação. Ele comenta ao Notícias Agrícolas que, se tiver de pagar o Funrural em cima do boi magro, ele quebra.

Ele explica que "gado magro é uma coisa que você vende para várias pessoas, para recria". Até março de 2017, as vendas foram realizadas "na confiança", mas sempre com a emissão de nota fiscal.

No caso do boi gordo, Mello sabia que existia a cobrança, não tendo recolhido anteriormente por conta do dispositivo que a agropecuária possuia a seu favor nessa questão. Agora, ele passou a recolher legalmente. Em 2018, o pecuarista ainda não vendeu boi magro.

Ele diz esperar que o Supremo Tribunal Federal (STF) volte atrás na cobrança a ser feita aos produtores, já que acredita ser "impossível pagar". "A gente pagar em cima de prejuízo é impossível", destaca.

Hoje, Mello possui o boi magro comercializado de 8 a 12 mil reais, com um custo de 60% a 70% do valor para que este animal possa entrar no mercado.

Por: Giovanni Lorenzon e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário