Cooperativa Digital: captação e análise das informações de cada associado possibilitam recomendações personalizadas nas fazendas

Publicado em 27/11/2018 08:42 e atualizado em 27/11/2018 17:57
606 exibições
Cooperativas tendem a aprimorar relacionamento com associados através da tecnologia. É a era digital...
Fernando Martins - Especialista em Agricultura Digital

Podcast

Entrevista com Fernando Martins - Especialista em Agricultura Digital

Download

LOGO nalogo

As inovações tecnológicas seguem cada vez mais ganhando espaço dentro do agronegócio. Diante desse cenário, até mesmo as cooperativas agrícolas começam a investir em novidades para melhorar a qualidade do serviços prestado e do atendimento ao produtor. Dentro dessas ações está a análise digital dos dados coletados no campo.

“Para a cooperativa prestar um bom serviço ela tem que conhecer o produtor melhor do que o próprio produtor. Com todos os dados coletados por máquinas desde o plantio, manejo e colheita a cooperativa poderá não mais contratar um agrônomo, mas um cientista de dados especializados no agro para extrair as informações e prover ao produtor um conselho melhor do que ninguém”, conta Fernando Martins, especialista em agricultura digital.

Segundo Martins, o futuro coloca como única alternativa para as cooperativas se tornarem cada vez mais digitais. “As cooperativas que não adotarem isso vão caminhar para a obsolescência, ou será digital ou não será. Esse é um cenário de mudança rápido, assim que tivermos duas ou três cooperativas operando e coletando mais dados digitais isso vira norma. Até porque o digital não é atrelado ao território, é possível operar em locais distantes sem estar fisicamente”.

Apesar de uma possível resistência em um primeiro momento, assim que o produtor começar a operar neste sistema irá ver os benefícios, aponta o especialista. “O importante desse diálogo é que as pessoas façam um questionamento interno e procurar entender mais. Vamos testar, pegar alguns dados, fazer um teste em uma lavoura menor. O produtor vai ver que a equação econômica é muito forte”.

Tags:
Por: João Batista Olivi e Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário