Mesmo com plantio direto, a estiagem arrasou lavouras no PR. O que falhou?

Publicado em 10/01/2019 12:36 e atualizado em 14/01/2019 11:09
9957 exibições
Plantio direto e a estiagem: em que condições o sistema ajuda diminuir as perdas, entrevista com Maria Bartz, especial para o Notícias Agrícolas
Marie Bartz - Professora e Pesquisadora

Podcast

Entrevista com Marie Bartz - Professora e Pesquisadora

Download

 

LOGO nalogo

A professora e pesquisadora Marie Bartz, filha do "pai" do plantio direto, Herbert Bartz, conversou com o Notícias Agrícolas para destacar que, de acordo com as diferentes condições das lavouras, o plantio direto pode oferecer resultados diferentes.

As áreas não são homogêneas. Entretanto, também é preciso saber se o produtor está seguindo a técnica ou o sistema do plantio direto. No sistema, existe o envolvimento do solo, a manutenção da palhada e a rotação de culturas aliada à adubação verdade.

A parte biológica do solo também deve ser trabalhada. Assim, observar a biodiversidade que está presente ajuda a equilibrar esse sistema.

O perfil do solo, em si, não é problema. A grande questão é a qualidade da matéria orgânica que você vai adicionar nesse solo. Muitas vezes, a matéria orgânica têm qualidade ruim e você não consegue recompor essa matéria. A biologia do solo é quem faz esse papel e o que alimenta é quem está em cima - ou seja, as culturas.

Uma rotação apenas com soja e milho não cumpre o papel. Como explica Bartz, isso não seria rotação e sim, apenas sucessão. Para fazer parte do sistema é preciso que tenha um número de culturas, com rotação ao longo do tempo e em vários talhões.

Veja ainda:

>> Região da Cooperativa Lar, no PR, tem perdas de 40% na soja

>> Notícias Agrícolas está no PR e constata perdas expressivas na soja. Há áreas com produtividade de 10 sacas/ha

E também a entrevista de João Batista Olivi como  o PhD em solos Afonso Peche:

>> Depois da seca, chuvas fortes... E a pior das perdas: a erosão!

Tags:
Por: Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

5 comentários

  • Leandro Ricardo De Nadai Geib Colonia Padre Guido Coronel - 00

    Com tamanha seca não tem rotação que faça milagre... tem locais que ficaram 40 dias sem chuva!!

    7
    • FERNANDO ROMAGNOLI ROSSETOPRIMAVERA DO LESTE - MT

      30 dias de sol..., nenhuma prática agrícola conhecida até o momento faz com que se evitem perdas!

      2
  • Virgilio Andrade Moreira Guaira - PR

    Precisamos de variedades tolerantes à seca, com outras medidas paralelas.. Sem chuvas, nada feito.

    3
  • Cassiano aozane Vila nova do sul - RS

    Buenas... o que faltou mesmo foi chuva... e temperatura mais amena..., não existe magica sem água..., e lembrando que água de irrigação não é igual água de chuva.

    7
    • EDMILSON JOSE ZABOTTPALOTINA - PR

      Cassiano falou tudo... O que faltou foi água e nunca se viu temperaturas tão elevadas e com os rios solares extremamente fortes. Aqui na região nem os produtores que possuem sistemas de irrigação conseguiram ter boa produção .

      3
  • Carlos Augusto Brasília - DF

    Faltou o sistema de irrigação ser usado em grande escala na região. Em Cristalina-GO, o que mais se usa é o sistema de irrigação (Tanto o sistema de Pivo Central ou Linear).

    40
    • SILVIO SPERASINOP - MT

      Irrigação demanda de muita água... e as pequenas propriedades do Paraná sequer têm espaço para construir açudes ou reservatórios.

      3
    • GERALDO EMANUEL PRIZONCOROMANDEL - MG

      Sr. Carlos, conseguir outorga neste nosso país é um verdadeiro calvário (média de 3/5 anos). Os ambientalóides preferem ver as águas escorrerem livremente para o mar... Eles não aprenderam os ciclo das águas na escola... Eu mesmo estou quase desistindo do pouco de área irrigada que tenho..., com o perdão da palavra, é muita "encheção de saco"... Só para ilustrar: furei recentemente um poço semi-artesiano, para o consumo da sede, nas condicionantes da outorga tenho que fazer leitura DIÀRIA do consumo numa planilha, ou seja, tenho que contratar uma pessoa só para cuidar agora do poço.... Tudo sob pena de multa e suspensão da outorga.... É mole?!.

      2
    • SILVIO SPERASINOP - MT

      Burocracia soviética é mais um problema que teremos que extirpar do Brasil!

      0
    • CARLO MELONISAO PAULO - SP

      Sr Geraldo, eu fico revoltado com essa situaçao semelhante à escravidao que o meio ambiente nos' impõe-----

      0
    • GERALDO EMANUEL PRIZONCOROMANDEL - MG

      Sobre o tema outorga de água, gostaria de deixar uma ideia neste espaço, para quem sabe ao menos ser analisada a possibilidade por quem de direito. Trata-se da liberação de Captação Pública de Água, sem a necessidade de outorga, visando a irrigação ou seu armazenamento. E o que seria isso? Nesta época de período chuvoso, o órgão público responsável, ao constatar o aumento dos cursos d'agua, franquiaria a todos a captação de água, de tal período a tal período, podendo este ser variável ano a ano na forma do regime de chuvas. Presencio hoje na minha região os rios com volumes aumentados em 50 vezes ao tempo de estiagem, sendo que ninguém pode captar essa água excedente sem uma outorga que leva em consideração a Cota Q7/10. Uma verdadeira judiação, com quem quer água para produzir

      0
  • Silvio Spera Sinop - MT

    A adubação e a correção do solo somente em uma fina camada superficial é também um fator que pode estar afetando negativamente o aprofundamento das raízes!

    6
    • SILVIO SPERASINOP - MT

      Os que votaram contra, por favor, mostre-me dados que contestem minha colocação.

      5
    • DALZIR VITORIAUBERLÂNDIA - MG

      É a turma do Maria vai com as outras., sua colocação é verdadeira... a adubação e correção é para uma profundidade de 20 cm.... se e feito em 10 cm tem dosagem duplicada... portanto, prejudicial

      0