Próxima safra de café em Rio Bananal/ES deve ser até 40% menor do que a última; preços de venda também preocupam

Publicado em 16/08/2019 11:51 e atualizado em 16/08/2019 13:34
1137 exibições
A safra 2019 teve 10% a mais de produtividade, mas as vendas estão atrasada devido ao baixo preço de negociação. Floração da próxima safra já começou na região e produtividade deve ser 40% menor com produtores ainda apreensivos com relação aos preços de venda.
João Carlos Casagrande - Produtor Rural de Rio Bananal/ES

Podcast

Acompanhamento de Safra do Café - Entrevista com João Carlos Casagrande - Produtor Rural de Rio Bananal/ES

Download

LOGO nalogo

Os produtores de café em Rio Bananal/ES já finalizaram os trabalhos de colheitas na região e apesar da safra 2019 ter tido um resultado de 10% a mais que o esperado, os produtores estão apreensivos com a venda, que está atrasada devido aos baixos preços do mercado.

Segundo o produtor da rural, João Carlos Casagrande, atualmente apenas 50% da safra foi vendida e os produtores da região encontram dificuldades para negociação e gerar lucros. De acordo com João, atualmente o  valor da saca está girando em torno de  R$ 250,00 e R$ 260,00/saca. Ainda de acordo como produtor, para conseguir cobrir os custos a saca precisava custar no mínimo entre R$ 300 e R$ 350/saca, já que o investimento por saca, segundo ele, fica em torno de R$ 290,00 a saca. 

A nova floração já começou e a colheita da nova safra deve acontecer entre os meses de maio e junho e as expectativa é que tenha uma queda de produtividade, já que a safra 2019 teve números acima do esperado. A expectativa é que a nova safra seja 40% mais baixa. O produtor acredita ainda, que com os preços do café em baixa, possa acontecer uma diminuição no investimento e produtividade na região. “Eu acho que se permanecer esse ano inteirinho, mais o ano que vem nesse preço, eu acho que vai abandonar muita lavoura”, afirma.

Leia mais:

>> Áreas de café arábica do Brasil têm floradas "pontuais" da nova safra, aponta Cepea; veja 

Por: Guilherme Dorigatti e Virgínia Alves
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário