DA REDAÇÃO: Possível redução na oferta de café pode retomar o apetite do mercado nas próximas temporadas

Publicado em 14/06/2013 16:38 e atualizado em 14/06/2013 19:00 605 exibições
Café: Possível redução na oferta nas próximas safras anima investidores. Análises sinalizam que cotações estariam próximas de um piso. Para essa temporada, expectativas ainda são baixistas, pois não há transparência na divulgação do estoques, tampouco políticas para o setor que atendam aos cafeicultores.

O The Wall Street Journal, jornal norte-americano, divulgou nesta sexta-feira (14) que a migração de cafeicultores para outras culturas em função da crise no setor deve diminuir a oferta e fazer com que os investidores retomem o apetite pelo mercado. A notícia publicada hoje diz que os preços de café deste mês poderão ser vistos no futuro como um preço mínimo lendário.

O mais importante dessa notícia é que os investidores e operadores do mercado internacional já reconhecem que os preços aos quais o café chegou são muito baixos e dão prejuízo a um grande número de cafeicultores, não só no Brasil, como também na Colômbia e na América Central, onde os preços também são desastrosos.

De acordo com o analista de mercado, Eduardo Carvalhaes, isso deverá repercutir em uma queda de produção, mas que deve começar a ser sentida apenas a partir de 2015: “Isso não é a solução, mas já mostra que o mercado internacional percebeu que os preços estão muito baixos e uma parcela de analistas e investidores pode começar a repensar se está na hora de voltar a comprar contratos na Bolsa de Nova York, onde há muitos contratos abertos”.

Praticamente já existe um consenso no mercado de que os números divulgados pela Conab, tanto da safra que está terminando agora, como da que está sendo colhida, são fora da realidade, porém ainda não se sabe qual será o estoque de café no Brasil no final deste mês. “É importante que o Ministério da Agricultura e o Conselho Nacional do Café divulguem os estoques para que se possa fazer uma análise e indicar ao produtor o que é melhor ser feito”, afirma Carvalhaes.

Em todo caso, Carvalhaes aconselha aos cafeicultores que tentem derrubar os custos de produção que foram possíveis e eliminar as áreas de produção menos rentáveis e mais caras para colher enquanto aguardam um posicionamento sobre os atuais números do mercado.

Por:
Ana Paula Pereira e Paula Rocha
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário