DA REDAÇÃO: Mandioca – Com estiagem, perdas na produção podem chegar a 80% no sertão do PE

Publicado em 08/08/2013 11:24 e atualizado em 08/08/2013 17:30
616 exibições
Mandioca: Devido à forte seca no Nordeste, as perdas na produção desse ano chegam a 80% em Araripina, sertão do Pernambuco. Sertanejos são obrigados a comprar a mandioca nas regiões Sul e Sudeste para ser beneficiada.

Em Araripina, sertão do Pernambuco, as perdas na produção de mandioca podem chegar a 80%, em função da forte estiagem que atingiu as plantações, nesta safra. Com os baixos volumes de chuvas, muitos produtores não conseguiram nem plantar a raiz. 

O presidente da Cooperama, João Paulo da Silva Andrade, explica que a produção desse ano será mais baixa. “Não temos produto para ofertar no mercado. A região do município é uma grande produtora de mandioca, mas pouquíssimos agricultores conseguiram fazer com que a raiz nascesse este ano. Dos 10 mil hectares semeados, em torno de 8 mil foram perdidos. Nossa produtividade que chega a 12 toneladas por hectares, esse ano e ano passado foi bem abaixo dessa média”, afirma.

Pelo segundo ano consecutivo, a produção do Pernambuco sofre com a seca. Os produtores tinham a expectativa de recuperar as perdas de 2012, com a safra deste ano. Situação que incentivaria o cultivo da mandioca e ajudaria os produtores a pagarem os custeios, conforme destaca o presidente da cooperativa. 

Diante desse cenário, os preços da raiz estão mais altos na região. A tonelada do produto é comercializada entre R$ 500,00 e R$ 600,00. As cotações também estão mais elevadas na região Sul e Sudeste do país, já que os produtores nordestinos compram a mandioca nestas regiões para ser beneficiada.

“Muitos produtores estão buscando a farinha no sul do país, mas como a procura está alta é inviável comprar a mandioca e fazer o beneficiamento aqui, no Pernambuco. Então, tem agricultor que também é beneficiador, fazendo o contrário, saíram daqui e estão alugando fábricas de farinha em outras regiões para fazer a mandioca na região sul mesmo”, explica Andrade. 

O presidente da cooperativa, ainda orienta que os produtores que tem área plantada aguardem o inverno para poder arrancar a raiz e não ficar sem a semente. Já os agricultores que tem empréstimos devem tentar plantar, mas sem adquirir novos empréstimos. 

Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário