ENTREVISTA: Confira a entrevista com Mario Cesar Ferrari - Pres. Sind. Rural de Botelho/MG

Publicado em 17/06/2014 13:16 498 exibições
Café: Lavouras da região de Botelhos (MG) estão em fase de colheita e demonstram pouco rendimento, porém acima do esperado. Gastos com mão de obra também elevam os custos de produção.

5 comentários

  • Ronaldo Spinola Lapa Poço Fundo - MG

    Tambem não entendi o comentario do sr. mario cesar ferrari

    pres. sind. rural de botelhos-mg.

    se ele gastava em anos anteriores de 7 a 8 medidas de cafe

    e este ano esta gastando 11 med. como é que pode estar pequena a quebra dele como ele deu a entender?

    0
  • victor angelo p ferreira victorvapf nepomuceno - MG

    Jõao Batista, nosso amigo confirma então a perda de 40% para se fazer uma saca, pois o normal era 7 medidas pra se fazer uma saca e agora está gastando 11...Mesmo com ums alguns pontos de duplo entendimento, no geral, demonstra claramente, que a situação da apuração do grão, é de perda irreversível em toda região do Sul de Minas.

    0
  • amarildo josé sartóri vargem alta - ES

    Amigo João batista. Não entendi bem a entrevista do Sr. Mário Cesar Ferrari que também é presidente do Sindicato Rural de Botelhos – MG. Ele relatou que em anos normais, utilizava de 7 a 8 medidas para apurar uma saca de café beneficiado e hoje está utilizando 11 medidas. Ora, nessa conta, por si só já representa uma quebra em média de 30 %, o que representa mais do que muitas regiões já relatadas, sem contar com o café que ele mesmo disse que está ficando para traz, pois os grãos estão completamente chochos. O meu comentário leva em consideração a seca que atingiu o cinturão produtor de café, principalmente MG, SP, e PR. Leva em consideração também a pesquisa realizada pelo Noticias Agrícolas no final de 2013 e inicio de 2014, onde retratou a renovação de lavouras e substituição por outras atividades em muitas propriedades. Aqui no ES, também houve défice hídrico, no entanto, as consequências realmente não foram substanciais. Vale lembrar que o ES produz em média apenas três milhões de sacas de café arábica ano, contra vinte e três milhões de sacas em MG, é claro que os prejuízos para a safra serão mais significativos em MG. Neste contexto, é só fazermos as contas e verificar que a quebra será superior aos números já divulgados. Um Grande Abraço

    0
  • Jonas Torres Alfenas - MG

    Ou seja, está perdendo nesse caso em torno de 31/32% (7,5/11-1), não é isso?

    0
  • Jonas Torres Alfenas - MG

    Eu não entendo. Se o normal era 7/8 medidas( ficamos com 7,5...)e agora se gasta 11, isso representa 46% a mais para se fazer um saco, tão ruim quanto Nepomuceno e tão ruim quanto quase todo o sul de minas...

    0