Manejo das principais doenças do feijoeiro deve começar com a utilização de sementes de qualidade, livres de fungos e bactérias

Publicado em 16/11/2017 11:45 3696 exibições
Confira a entrevista com Adriane Wendland - Pesquisadora Dra. em Fitopatologia
Entenda como manejar as principais doenças do feijoeiro

Podcast

Confira a entrevista com Adriane Wendland - Pesquisadora Dra. em Fitopatologia

Download

LOGO nalogo

Com o plantio do feijão praticamente concluído no Paraná, as atenções devem estar voltadas para o comportamento das principais doenças que atingem o feijoeiro. Adriane Wendland, pesquisadora da Embrapa Arroz e Feijão e doutora em Fitopatologia, destacou ao Notícias Agrícolas as principais características e formas de transmissão dessas doenças, de forma a auxiliar os produtores a concluírem sua safra de forma sustentável, sadia e rentável.

Confira:

Bacteriose

São três as bactérias responsáveis pela transmissão dessa doença: Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli, Xanthomonas fuscas var. fuscans e Xanthomonas sp, esta última que é uma nova espécie, encontrada pela primeira vez na África. Essas três espécies possuem sintomas semelhantes, de forma que o manejo não se altera para o produtor, mas para os pesquisadores e melhoradores, é importante a atenção redobrada na hora de realizar o melhoramento genético.

Definida por um crestamento bacteriano com lesões pardas circundadas por uma mancha amarelada, essa doença pode causar perdas de até 100% nas lavouras. Seu desenvolvimento favorável está na temperatura entre 25ºC a 32ºC, com alta umidade e chuvas frequentes. Pode ser transmitida por meio de sementes, restos de cultura, leguminosas e plantas daninhas. Caso a doença se prolongue, ela também pode apresentar danos para as vagens.

Murcha de Curtobacterium

Essa doença causa uma "murcha" da planta como um todo. A bactéria responsável, Curtobacterium flaccumfaciens pv. flaccumfaciens, entope os vasos da planta impedindo a progressão de nutrientes. As sementes contaminadas apresentam manchas e tamanho reduzido.

A disseminação pode se dar por sementes, vento, chuvas e insetos em geral. A alta temperatura e o estresse hídrico causam condições favoráveis. Ela sobrevive, além de sementes, em restos de cultura, outras leguminosas e plantas daninhas

Pseudomonas phaseolicola

O aumento do plantio de cultivares de feijão preto mostrou alta suscetibilidade a essas pragas, embora estas não sejam vistas como um problema muito sério até o momento. Caso o produtor observe essa doença em sua lavoura, deve evitar as cultivares suscetíveis.

Antracnose

Causada pelo fungo Colletotichum lindemuthianum, causa o escurecimento e a depressão do caule e uma lesão convexa nas folhas. Além disso, ela também ataca vagens e sementes.

Uma temperatura entre 13ºC a 26ºC, com alta umidade, causa uma condição favorável para seu aparecimento. Ela sobrevive em sementes, restos de cultura, plantas hospedeiras e outras espécies de leguminosas. Contudo, o controle químico com triazóis tem se mostrado eficiente.

Mancha Angular das Folhas

Causada pelo fungo Pseudocercospora griseola, que está presente de norte a sul no país, incide nas folhas e nas vagens com uma lesão marrom-chocolate, podendo causar perda total na lavoura. A coloração única de sua lesão e a depressão, que não é profunda, diferenciam essa doença da antracnose, que tem lesões circuladas por manchas escuras e um alto nível de depressão.
Fungo de norte a sul do país. Crescimento do fungo nas folhas. Incide nas vagens lesão marrom chocolate, pode causar perda total da lavoura.

Essa doença pode ser disseminada por sementes, vento, chuva, insetos e implementos agrícolas, em condições de temperatura entre 16ºC a 28ºC. Ela sobrevive em sementes, restos de cultura e plantas hospedeiras como Pisum sativum, Phaseolus spp. e Vigna spp.

Por:
Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário