Emater/PR aponta erro estratégico para os plantios antes das chuvas e considera alto o risco de perdas para safra 19/20

Publicado em 17/10/2019 11:31 e atualizado em 17/10/2019 17:12
4739 exibições
Cenário de poucas chuvas em setembro e outubro já era previsto e produtor deveria ter aguardado mais umidade do solo antes de semear, mesmo sob risco de perder a segunda safra de milho. Replantio já é necessário em grandes áreas do estado.
Nelson Harger - Diretor Técnico EMATER - PR

Podcast

Emater/PR aponta erro estratégico para os plantios antes das chuvas e considera alto o risco de perdas para safra 19/20

Download

LOGO nalogo

O início da safra 2019/20 está bastante complicado para os produtores do Paraná. Os meses de setembro e outubro não registraram grande volumes de chuvas, o que tem atrasado os trabalhos de plantio e já causam necessidade de replantio em diversas áreas do estado.

Segundo o diretor técnico da Emater/PR, Nelson Harger, este cenário já era previsto antes do início da safra, e considera errada a decisão dos produtores de iniciarem a semeadura mesmo sem condições ideais para os trabalhos.

"O produtor arriscou plantar no cedo para viabilizar a safrinha de milho, mas ela dá menos rentabilidade e possui mais riscos. O produtor não deve colocar a semente no solo arriscando a sua renda na principal safra do ano. Hoje em dia, a semente empata com os adubos nos custos de produção e toda a tecnologia empregada se perde neste solo seco", diz Harger.

Para o diretor da Emater, ainda é possível garantir uma boa safra no estado, desde que as chuvas voltem ainda no mês de outubro, registrando volumes entre 10 e 20 mm. Porém, se as precipitações se regularizarem apenas em novembro, as perdas podem ser ainda maiores.

Diante deste cenário, a recomendação de Harger é que os produtores que ainda não plantaram aguardem boas condições de umidade no solo para efetivar a semeadura da soja e que o produtor paranaense passe a tomar decisões mais técnicas apoiadas em análises e, até mesmo, abandonar culturas que não trazem rentabilidade, apostando mais na construção de solo e plantas de cobertura.

Confira a entrevista completa com o diretor técnico da Emater/PR no vídeo.

Veja mais informações sobre a situação do Paraná:
>> Cinturão Oeste do PR está sem chuvas há mais de 1 mês e deve terminar outubro abaixo da média

Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

3 comentários

  • EDMILSON JOSE ZABOTT PALOTINA - PR

    Me desculpem ... Mas agora é fácil dizer que houve erro estratégico ao plantar antes do período das chuvas... Mas não vi nenhum alerta de instituições alguma e mesmo das cooperativas e demais empresas, em dizer "não plante", pois em determinados periodos tínhamos inúmeras situações de chuva e que sempre foram confiáveis...

    7
    • GERALDO JOSE DO AMARAL GENTILE Ibaiti, Parana, Brasil - PR

      Boa tarde Edmilson. Aqui em nossa região (Norte Pioneiro do Paraná), o Grupo Pitangueiras disparou alerta na data de 20/09/2019 para que os clientes não efetuassem o plantio do soja pois havia previsão de estiagem. Não sei se serviria à tempo para os sojicultores da região de Palotina, mas para a nossa região foi à tempo e a maioria não plantou. Abraços.

      1
    • EDMILSON JOSE ZABOTT PALOTINA - PR

      Isso é bom. Talvez seja uma das poucas que tenha se preocupado desta forma ....

      0
  • elcio sakai vianópolis - GO

    O grande mal do produtor é que somos mais otimistas do que realistas. A maioria de nós vive das boas lembranças do passado (situações benéficas que aconteceram anos atrás são difíceis de serem apagadas), já as más lembranças facilmente esquecemos.... É difícil quebrar o otimismo de nossa classe, seja ele agricultor, pecuarista, cafeicultor, etc. A população em geral tinha que nos agradecer, por nós acreditarmos em dias melhores, pois não foi nem uma ou duas vezes que investimos num ramo em que as planilhas de custos nos mostram que estamos perdendo dinheiro em cada safra. Muitos se vangloriam que nosso ramo dá muita lucratividade, porém todo ano vejo alguns saindo da atividade. Nessa semana conversei com dois produtores de maracujá, produtores pequenos cuidando em torno de 500 plantas. A realidade mostra que esses produtores não conseguem numa média anual, atingir um salario minimo mensal de remuneração. Pra quem tira leite, a situação também está horrível, cafeicultor nem se fala. Como falei, nossa atividade atividade tem mais otimistas do que realistas, podem nos criticar e não nos entender, mas saibam que depois que o prejuízo vira fato, somos nós os principais críticos de nós mesmos.

    3
    • R L Guerrero Maringá - PR

      E apesar de tudo, ainda tem arrendatário pagando 90 sacas de soja por alqueire..

      1
    • Marcio Magarinos Outros Tio Hugo - RS

      Aqui 25 por há, tá ficando normal...

      1
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Eu acho que sao 90 sacas de milho,, ai fecha -----25 tambem e' loucura pois o mercado paga 15 ate' 18% do colhido---

      5
    • R L Guerrero Maringá - PR

      Não, caro senhor Meloni.

      São 90 sacas de soja mesmo.

      Aliás, me dá vontade as vezes de ir lá perguntar para os "colegas produtores" que pagam isso tudo, que me ensinem alguma coisa que eu não sei.

      Por que pra pagar uma renda dessas, à vista, e ainda ter lucro, realmente, só podem ser "mestres" da sojicultura.

      1
    • Valcir Raimundo Ghizzoni GENTIL - RS

      Se está bom para quem paga e para quem recebe, não há o que discutir.

      2
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Entao Sr Guerreiro estamos diante de um misterio----Ja vi alguns exemplos desse tipo---O dono do supermercado usa a atividade agricola para fugir dos impostos, tambem vi o despeitado fazer propostas absurdas so' de raiva do produtor que lhe havia tirado o arrendatario, tambem vi varios que na dificuldade de arranjar terra oferecem valores de arrendamento absurdo porque o fazem com a intençao de nao pagar nada----Ja' vi tambem gente que o faz so' para diluir os custos fixox----Mas os produtores normais nao devem se irritar com isso, e' so' esperar um pouco e a gente vai se divertir com o tombo--

      2
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Na minha regiao, Sao Miguel Arcanjo (sul de Sao Paulo), ja tem arrendante que recebe R$ 4000 /ano/alqueire mas sao terras de 200 sacas/alqueire, porem esse produtor que paga isso tem outras areas onde paga R$ 2200/ano/alqueire

      2
  • Celso de Almeida Gaudencio Londrina - PR

    Soja: no Paraná a época preferencial é NOVEMBRO... use a sequência de cultivo – MP/Ms SP/Ms SJ/* SJ/* isto é: SP= soja precoce, SJ= soja, MP= milho precoce safra normal, Ms= milho safrinha e * gramíneas de inverno anuais (ou perenes) para grãos cobertura verde ou pastoreio.

    [email protected]

    13
    • Pedro A Philippsen nova santa rosa - PR

      Oeste do Paraná. época ideal, 20 de Setembro a 01 de Outubro.... Agora é fácil falar.... o problema é que os institutos de meteorologia mostravam chuva sim, e o produtor confiou... em outras épocas deu certo, mas desta vez - quando a tal chuva se aproximava da previsão, simplesmente adiava por uma semana ... e assim está até hoje. Lamentável.

      3
    • Celso de Almeida Gaudencio Londrina - PR

      Loucura. Nunca antes de 20 de outubro.

      13
    • Celso de Almeida Gaudencio Londrina - PR

      Pedro A Philippsen, até 2002 (quando me aposentei), isto seria uma heresia.

      10
    • Petter Zanotti Assis - SP

      Como foi colocado na reportagem, desde o início as previsões (meses antes do término do vazio sanitário), eram de normalização das chuvas a partir da segunda quinzena de outubro... Muitos produtores, mesmo diante da incerteza das previsões, preferiu arriscar sem as condições de umidade adequada para plantio: o resultado é que agora várias áreas deverão ser replantadas... A segunda safra possui um risco associado que não pode ser desprezado, em detrimento da primeira safra que permite obter as melhores rentabilidades...

      1
    • Eliezer Cherpinski

      Custava esperar as chuvas chegarem???

      2
    • nilo otavio baqueta Mamborê - PR

      E o grande problema é que as nascentes, minas, e ate poços artesianos estao à míngua, triste de ver..

      0