Captação de leite cai 13 mi/l dia em MG, varejo começa a ficar sem produto e simpatia pela greve pode cair entre a população

Publicado em 24/05/2018 13:42 e atualizado em 25/05/2018 11:45
2032 exibições
Cerca de 223 mil propriedades rurais trabalham com leite, mais de 1 milhão de pessoas diretamente ligadas, notadamente pequenos, que perderam o leite ordenhado e têm que jogar o leite tirado diariamente. Laticínios tem dezenas de caminhões presos e o pouco abastecimento é na micro-região das cidades, mas já enfrentando falta de diesel.
Celso Moreira - Diretor Executivo do Silemg

 

 

Podcast

Entrevista com Celso Moreira sobre Desabastecimento de Leite

Download

 

 

LOGO nalogo

Celso Moreira, diretor-executivo do Silemg, conversou com o Notícias Agrícolas nesta quinta-feira (24) para destacar como a greve dos caminhoneiros está afetando a principal bacia leiteira do Brasil, localizada no estado de Minas Gerais.

Segundo ele, a situação se agrava dia após dia. A captação já teve uma queda de 13 milhões de litros por dia, já que os caminhões se encontram vazios ou carregados nas estradas, incapacitando a indústria de captar.

Apenas 20% dos 16 milhões de litros de leite que saem com destino à indústria de laticínios estão conseguindo chegar ao destino final. Enquanto a indústria tiver capacidade de armazenar esses produtos, eles irão existir. Contudo, o transporte deles também segue impedido de ser realizado por conta do desabastecimento de combustíveis em todas as cidades do país.

Ele também aponta que o varejo não possui um estoque muito maior do que 10 dias desses produtos, de forma que a população também pode ficar sem os laticínios nos próximos dias.

O número de caminhões retidos nas estradas é grande e a situação, sem entendimento dos caminhoneiros com o Governo Federal, é difícil de resolver. Para Moreira, é preciso dar prioridade às cargas vivas.

Mais de 1 milhão de pessoas estão ligadas diretamente à atividade leiteira primária, das quais muitas são pequenos produtores. O transporte da ração para alimentar o gado também está prejudicado, ameaçando a falta de alimento para os animais.

Veja a situação em outros estados:

Produtores de SC jogam milhões de litros de leite fora por não conseguirem escoar a produção

Produtores de leite catarinense estão descartando o produto por não conseguir escoar a produção em função da greve dos caminhoneiros. A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa (Faesc) estima que boa parte dos 5 milhões de litros de leite que são tirados para envio às indústrias foram jogados fora nesta quinta.

Em Santa Catarina, segundo a Faesc, entre 70 mil e 80 mil produtores rurais trabalham com a ordenha de vacas e a produção diária de leite no estado é de 8 milhões de litros. Conforme o vice-presidente da Faesc, Enori Barbieri, os 3 milhões de litros restantes são comercializado nas regiões dos produtores, atendendo a demanda interna.

"O aumento no preço do diesel é algo que afeta toda a cadeia, por isso de certa forma apoiamos a paralisação. Entretanto, com o leite é sempre um dos mais afetados. Não tem o que fazer. A vaca precisa ser ordenhada diariamente, às vezes até três vezes ao dia. Só jogando fora mesmo", explicou Barbieri.

Confira a notícia na íntegra no site do G1 SC

Mais de 80% da captação de leite do RS está comprometida

O Sindicato da Indústrias de Laticínios do RS (Sindilat) informa que mais de 80% da captação de leite do Rio Grande do Sul está comprometida nesta quinta-feira (24/5). Segundo levantamento realizado com associados nesta manhã, várias empresas suspenderam integralmente a ação de caminhões nas diferentes rotas e aqueles que ainda estão operando o fazem com dificuldades e sob ameaça. Todos os dias, em condições normais, são captados 12,6 milhões de litros de cru de 65 mil propriedades rurais do Rio Grande do Sul.

Compreendendo as complicações e o prejuízo que a interrupção desse serviço traz aos produtores e à indústria, o Sindilat ingressou com ações na Justiça Estadual para desbloqueio das rodovias interditadas em movimento de caminhoneiros desde a segunda-feira (21/5). Ontem (23/5), a Justiça determinou a liberação de cargas de empresas associadas ao Sindilat em Cruz Alta e Ijuí. Soma-se ao movimento, liminar obtida nesta quinta-feira (24/5) pela Advocacia Geral da União (AGU) que permite a livre circulação nos estados do RS, SC e PR. Até este momento, o cumprimento das decisões judiciais para liberação dos caminhões ocorre de forma lenta e insuficiente para repor o fluxo de coleta no campo. O Sindilat recomenda a seus associados que, de posse das decisões acima citadas, solicitem a liberação das cargas retidas em diferentes rodovias.

As empresas associadas ao Sindilat ainda informam que estão com seus setores de expedição lotados de produtos e já há registro de falta de insumos para atender ao processo industrial, o que indica que, se a manifestação prosseguir, as linhas de produção também serão desativas integralmente. 

O Sindilat e as indústrias associadas informam que, tão logo o transporte seja normalizado, a coleta no campo e o abastecimento dos centros urbanos serão retomados.

     

Por: Giovanni Lorenzon e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário