Milho tem produtividade baixa em LEM/BA e produtores já se preocupam com alto custo para implantação da safra de soja 19/20

Publicado em 13/08/2019 10:46 e atualizado em 13/08/2019 12:06
1145 exibições
Agricultores evitam comprar abudo nos atuais patamares de preços e aguardam novas condições de negociações. Expectativas positivas ficam por conta da boa condição climática para desenvolvimento da soja e novas possibilidades de logística para escoar a produção via Tocantins.
Cícero José Teixeira - Presidente do Sindicato Rural de Luís Eduardo Magalhães/BA

Podcast

Acompanhamento de Safra do Milho - Entrevista com Cícero José Teixeira - Presidente do Sindicato Rural de Luís Eduardo Magalhães

Download

LOGO nalogo

Já está chegando ao fim o trabalho de colheita para os agricultores que optaram por fazer uma segunda safra na região oeste da Bahia. Segundo o presidente do Sindicato Rural de Luís Eduardo Magalhães, Cícero José Teixeira, a produtividade da safrinha foi abaixo do esperado. “Primeiro porque o clima não favoreceu o plantio de milho após o mês de março e abril, então a produção é baixa”, afirma.  

Os produtores começam agora a se planejar para a safra verão e o valor dos insumos é o que tem preocupado os produtores. “Os preços dos insumos estão muito elevados na nossa região e a soja se manteve por muito tempo com preços considerados baixos, isso inibiu muitas pessoas hoje na aquisição dos insumos”. afirma. 

De acordo com o Sindicato, as decisões finais de compras devem acontecer até a primeira quinzena de agosto. Já quanto ao clima, os agricultores estão otimistas com as previsões para a safra principal. “Nós estamos bastante otimistas em relação a situação climática, acreditamos que a gente vai ter um ano muito bom, não aguentamos mais safras frustradas”, afirma. 

As expectativas positivas também ficam por conta da logística local. A partir deste ano, a região oeste da Bahia terá grande parte da produção escoada pelo Tocantins, via transporte rodoviário. Até então, a logística era feita apenas via porto. 

Por: Guilherme Dorigatti e Virgínia Alves
Fonte: Notícias Agricolas

0 comentário