Região da Cotrijal enfrenta quase 20 dias de estiagem e milho é o mais prejudicado. Soja começa a sentir as altas temperaturas

Publicado em 27/12/2019 11:41 e atualizado em 27/12/2019 13:34
2528 exibições
Coordenador Técnico da Cotrijal explica que o excesso de chuva no milho deixou raízes superficiais e agora as lavouras estão com dificuldade para enfrentar veranico . Já as altas temperaturas na soja antecipam desenvolvimento da lavoura e prejudicam potencial produtivo
Fernando Martins - Coordenador Técnico de Validação de Pesquisa - Cotrijal

Podcast

Acompanhamento de Safra do Milho - Entrevista com Fernando Martins - Coordenador Técnico de Validação de Pesquisa - Cotrijal

Download

LOGO nalogo

A escassez de chuva e a alta sensação térmica nas lavouras de grãos na região de Não-Me-Toque, no Rio Grande do Sul, já começa a prejudicar a produtividade. De acordo com o coordenador técnico da Cotrijal , Fernando Martins, o veranico é tradicional na região, mas este ano, veio adiantado. 

"O que mais está prejudicando é a sensação térmica no campo, que ultrapassa os 40º, com umidade relativa do ar entre 12% a 15%, que são condições adversas para milho e soja".

Segundo ele, esta situação faz com que a planta fique fisiologicamente parada, sem desenvolver nenhum processo produtivo. No caso do milho, as folhas mais importantes para o desenvolvimento, que são as superiores, começaram a secar , comprometendo o enchimento da espiga.

"Ainda não há uma estimativa de perdas, mas no caso do milho, deve ficar abaixo da média de produção de 200 sacas por hectare, o que afeta toda a cadeia produtiva. Temos espigas 50% com grão formado, e o resto não conseguiu. Agora não forma mais, e essa estiagem ainda está prolongando", afirma.

No caso da soja, a produtividade também vai ser abaixo do ano passado, quando a média da cooperativa era de 70 sacas por hectare e, no estado, média de 54 sacas.

Martins explica que a região central do estado está com um bolsão que impede a chegada da chuva, que acaba desviando e indo para o litoral. A expectativa é que as chuvas comecem a cair sobre a área na próxima semana, o que vai ajudar no enchimento dos grãos de milho, mesmo que a espiga não tenha se formado completamente, e auxiliar também no avanço da fase reprodutiva da soja, que deve se recuperar melhor que o milho.

 

Por: Aleksander Horta e Letícia Guimarães
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário