Calor intenso provoca escaldadura na soja de São Gabriel do Oeste/MS

Publicado em 29/01/2019 11:43 e atualizado em 29/01/2019 19:39
4489 exibições
Calor intenso provoca escaldadura na soja de São Gabriel do Oeste/MS
Rafael Grimm Marques - Produtor rural de São Gabriel do Oeste - MS

Podcast

Calor intenso provoca escaldadura na soja de São Gabriel do Oeste/MS

Download

LOGO nalogo

Na região de São Gabriel do Oeste/MS, as lavouras de soja estão comprometidas com o calor intenso e pela a falta de chuvas. De acordo com o produtor rural do município, Rafael Grimm Marques, as plantas ficaram comprometidas com as altas temperaturas do dia 23 de janeiro. "Como essas áreas são de solo estruturado a perda não é tão significativa, mas quem não tem a quebra pode ser bem pior", afirma. 

No solo tradicional, a expectativa é que a produtividade fique ao redor de 45 sacas do grão por hectare. Além disso, a localidade registrou 50 mm de precipitações nos últimos dois meses. Nesta temporada, os produtores rurais aprenderam que é preciso adotar novas tecnologias no restante dos talhões das propriedades para amenizar os efeitos climáticos. 

Temperatura do dia 23 na estação do Rafael, acima de 40

Fazenda Progresso - São Gabriel do Oeste - MS - Rafael Green Marques

Fotos Daniel Olivi/NA

Sojicultor vê produtividade desuniforme entre MS e GO; colheita tem chuvas (REUTERS)

JATAÍ, Goiás (Reuters) - Produtores que cultivam soja entre Mato Grosso Sul e Goiás estão observando produtividades díspares nas lavouras da safra 2018/19, após condições climáticas não tão favoráveis durante o desenvolvimento das plantações, enquanto as primeiras colheitas são marcadas por chuvas mais constantes.

Embora as lavouras dessa região do Centro-Oeste não tenham sofrido com a seca na mesma intensidade registrada no Paraná e no sul de Mato Grosso do Sul, os rendimentos no campo também tendem a ficar aquém do potencial que se desenhava no início do plantio.

Técnicos da Agroconsult percorreram na véspera o trecho entre Campo Grande (MS) e Jataí (GO), no primeiro dia de campo de mais uma etapa do Rally da Safra, expedição técnica acompanhada nesta semana pela Reuters.

As produtividades estimadas pela consultoria nas plantações analisadas nesse percurso de pouco mais de 500 quilômetros variam de 50 a 75 sacas de 60 kg por hectare.

A região, segundo os técnicos, apresenta muitas vezes potencial produtivo superior a 70 sacas por hectare, graças, em parte, a um solo mais argiloso e fértil.

"Foi muito fraco", disse o produtor Ivanilson de Sousa, que neste ano cultivou soja em 350 hectares, entre próprios e arrendados, no município de Chapadão do Céu (GO), perto da divisa com Mato Grosso do Sul.

"O primeiro pedaço que a gente abriu (colheu), achávamos que ia dar 70, 80 sacas (por hectare), mas vieram 60. Tem vizinho que está colhendo 40, 50", afirmou, enquanto uma de suas máquinas avançava pelo talhão colhendo a oleaginosa que, ainda segundo ele, ficou cerca de 15 a 20 dias sem chuvas durante o momento de frutificação e enchimento de grãos.

Na safra passada, quando o Brasil, o maior exportador global, colheu um recorde de 119,3 milhões de toneladas de soja, Sousa obteve entre 70 e 80 sacas por hectare.

Para este ano, a maioria dos analistas e instituições já aponta um número menor do que o visto na temporada passada. Na véspera, a associação da indústria de soja, Abiove, reduziu a previsão de safra em 2,5 por cento ante a projeção de dezembro, para 117,9 milhões de toneladas.

MAIS IRREGULARIDADES

A falta de uniformidade nos rendimentos observados nas lavouras de soja entre Mato Grosso do Sul e Goiás tende a ficar ainda mais evidente conforme a colheita ganha ritmo na região, segundo especialistas.

"A seca atingiu tanto a soja precoce quanto a tardia, porque tivemos uns 30 dias sem chuvas em dezembro e depois mais 15 agora em janeiro", comentou o assistente técnico de vendas Luiz Henrique Brito Lemes, da Pantanal Agrícola, uma revendedora de insumos com atuação em todo o Centro-Oeste.

Conforme ele, há produtores relatando quebras de até 50 por cento na produtividade.

O tempo adverso que marcou o desenvolvimento das lavouras de soja, contudo, não tem sido observado neste momento inicial de colheita, pelo menos.

"Desde quinta-feira não para de chover", disse Lemes.

As chuvas vêm em forma de pancada, com impactos pontuais sobre os trabalhos de colheita.

Para as próximas duas semanas, contudo, a previsão é de novamente precipitações abaixo da média em algumas regiões, o que pode dar um impulso à colheita de soja, mas ao mesmo tempo impactar o milho de segunda safra recém-plantado.

Conforme o Agriculture Weather Dashboard, do Refinitv Eikon, entre Mato Grosso do Sul e Goiás deve chover entre 50 e 150 milímetros até meados de fevereiro --isso significa precipitações abaixo da média em Mato Grosso do Sul; Goiás deverá ver chuvas dentro ou acima da média em boa parte do Estado.

Os vídeos abaixo, enviados por internautas, mostram bem essa irregularidade na produção de soja pelo Brasil afora: 

Faz Mamosi - Campos de Júlio/MT
TMG 2381 IPro.
Produtividade acima de 75 sc/ha.

Noroeste do Paraná

Produtividade de 35 sacas/ha onde se esperava 60 sacas/ha

Tags:
Por: João Batista Olivi
Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • EBS FERTILIZANTES Itanhanga - MT

    A poucos dias indagamos aqui no NA: o sucesso isolado de algumas propriedades não representa a média de produção nem do MT e de nenhum outro lugar do Brasil - A queda de produção na safra de soja 2018/19 infelizmente é real (deixarei o link da matéria abaixo).
    China momentaneamente recebendo muita oferta de soja, grandes players embarcando contratos anteriormente feitos e ''irrelevância'' dada pelos mesmos quanto a quebra de produção tem pressionado (e bastante!) os preços da commoditie.
    Aos poucos que poderão esperar a 'barriga chinesa' roncar, terão um pouco de recompensa da baixa produção através da especulação dos preços (Julho/Agosto).
    Reforço que não se trata de pedido de ajuda monetária ao governo - não queremos ter esperança na força dos galhos, é o chumbo na asa que precisa sanar para que alcemos melhores voos!

    https://www.noticiasagricolas.com.br/videos/soja/228394-acompanhamos-uma-colheita-e-comprovamos-produtividade-media-acima-de-65-scsha.html#.XFB_WFxKjIX

    1
    • RAFAEL ANTONIO TAUFFERPASSO FUNDO - RS

      Muito bem lembrado, se a soja for subir em julho/agosto poucos produtores conseguirão esperar.

      0
    • LUIZ ALFREDO VIGANÓMARMELEIRO - PR

      Duvido que aquela soja renda 65 sc/ha!!! Mas como tem caboclo gabola na agricultura...

      0