Café: Bolsa de Nova York fecha semana com queda de 45 pontos

Publicado em 26/07/2013 17:18
802 exibições

A forte onda de frio que castigou o Sul e o Sudeste do País durante toda a semana, chegou forte também ao Centro Oeste, principalmente ao Mato Grosso do Sul. Segundo agências de meteorologia, as geadas atingiram a região Sul, o sul de Mato Grosso do Sul e algumas regiões do oeste e do sul de São Paulo.

No caso do café aparentemente os danos não foram grandes. As regiões mais afetadas foram o norte e parte do noroeste do Paraná, e no Estado de São Paulo, lavouras na região de Piraju e Sarutaiá. No decorrer da próxima semana deveremos ter um relato mais detalhado dos estragos nas diversas regiões cafeicultoras.

O mercado futuro de café, que tradicionalmente costuma reagir à aproximação de frentes frias sobre as regiões produtoras do Sudeste do Brasil com fortes altas, desta vez não se mostrou preocupado. Os contratos de café, com vencimento em setembro próximo na ICE Futures US em Nova Iorque, fecharam na sexta-feira passada, véspera da subida da frente fria, com baixa de 485 pontos. Os operadores não levaram em consideração que teriam três noites e três madrugadas pela frente antes de um novo pregão ser aberto. No decorrer desta semana as cotações do café na ICE oscilaram bastante, mas fecham o período com baixa de 45 pontos nos contratos com vencimento em setembro próximo.

Diversas razões levam a esse novo comportamento dos operadores: a melhoria das informações sobre o clima no Brasil, com processos de inovação, apoiados principalmente em supercomputadores, gerando previsões mais confiáveis e antecipadas; o menor peso dos cafezais do Paraná, que hoje representam menos de 5% da produção brasileira de café (vejam a última previsão da CONAB, de maio de 2013); o interesse maior dos operadores em fatos que impactem as cotações em curtíssimo prazo; o sentimento do mercado internacional de que os estoques remanescentes no Brasil e a nova safra 2013 são suficientes para atender as necessidades mundiais de café brasileiro e principalmente, a falta de posicionamento e ação do Ministério da Agricultura, que adia, semana após semana, as medidas de defesa de preços para o café brasileiro.

O mercado físico brasileiro permaneceu calmo com pouco interesse comprador nos preços pretendidos pelos produtores. A safra 2013 está atrasada, com um volume pequeno de lotes novos chegando ao mercado, que já trabalha com a perspectiva de queda na qualidade dos arábicas brasileiros este ano. As chuvas, os preços abaixo dos custos de produção e as despesas com mão de obra, maiores a cada ano, levam muitos cafeicultores a cancelarem os gastos necessários para obter-se um café arábica de alta qualidade.

Até o dia 25, os embarques de julho estavam em 975.392 sacas de café arábica e 101.693 sacas de café conillon, somando 1.077.085 sacas de café verde, mais 122,750 sacas de café solúvel, contra 1.707.951 sacas no mesmo dia de junho. Até o dia 25, os pedidos de emissão de certificados de origem para embarque em julho totalizavam 1.936.509 sacas, contra 2.267.747 sacas no mesmo dia do mês anterior.

A bolsa de Nova Iorque – ICE, do fechamento do dia 19, sexta-feira, até o fechamento de hoje, sexta-feira, dia 26, caiu nos contratos para entrega em setembro próximo, 45 pontos ou US$ 0,60 (R$ 1,35) por saca.

Em reais por saca, as cotações para entrega em setembro próximo na ICE fecharam no dia 19 a R$ 363,08/saca e hoje, dia 26 a R$ 364,18/saca. Hoje, sexta-feira, nos contratos para entrega em setembro, a bolsa de Nova Iorque fechou com baixa de 255 pontos. No mercado calmo de hoje, são as seguintes cotações por saca, para os cafés verdes, do tipo 6 para melhor, safra 2013/2014, condição porta de armazém:

R$325/330,00 - CEREJA DESCASCADO – (CD), BEM PREPARADO.
R$310/320,00 - FINOS A EXTRAFINOS – MOGIANA E MINAS.
R$300/305,00 - BOA QUALIDADE – DUROS, BEM PREPARADOS.
R$290/295,00 - DUROS COM XÍCARAS MAIS FRACAS.
R$280/285,00 - RIADOS.
R$270/275,00 - RIO.
R$270/280,00 - P.BATIDA P/O CONSUMO INT.: DURA.
R$260/270,00 - P.BATIDA P/O CONSUMO INT.: RIADAS.

DÓLAR COMERCIAL DE SEXTA-FEIRA: R$ 2,2520 PARA COMPRA.

Fonte: Escritório Carvalhaes

0 comentário