Café: Bolsa de Nova York encerra semana com queda de 535 pontos

Publicado em 20/09/2013 18:45 e atualizado em 20/09/2013 19:25
675 exibições

Apesar de postas em prática pelo governo federal as medidas destinadas a dar sustentação aos preços do café nesta entrada de safra, tivemos mais uma semana negativa para a cafeicultura brasileira. 

A divulgação, na segunda-feira, dos estoques americanos de café verde, os maiores desde julho de 2009 e a notícia de chuvas sobre os cafezais brasileiros, derrubaram com força as cotações em Nova Iorque. 

Na terça-feira, os contratos de café com vencimento em dezembro próximo na ICE Futures US fecharam com 430 pontos de baixa. No dia seguinte, a decisão do Federal Reserve, o banco central americano, de manter os estímulos monetários, provocou uma queda do dólar frente às principais moedas. No Brasil, o dólar apresentou uma forte queda, de 2,92%, frente ao real. 

No mercado físico brasileiro, os compradores repassaram as perdas do dólar e da ICE para suas ofertas, dificultando bastante a conclusão de negócios. Muitos cafeicultores adiaram suas vendas para a próxima semana, aguardando um desenho mais claro do cenário internacional. 

No segundo leilão de contratos de opção de venda de café realizado hoje pela CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento foram negociados 8.615 contratos, que correspondem a 861,5 mil sacas e 86,2% do total ofertado. O prêmio médio saiu por R$ 1,906 por saca, com ágio de 11,1% em relação ao valor de abertura. Leia mais informações na seção EXTRA de nosso site. 

O café brasileiro, que no início dos anos sessenta do século passado era responsável por mais de 50% de toda a receita cambial brasileira, participou de janeiro a agosto de 2013 com apenas 5,1% da receita cambial do agronegócio brasileiro. Foi o sexto item da pauta das exportações do agronegócio, atrás do complexo soja, carnes, complexo sucroalcooleiro, produtos florestais, cereais, farinha e preparações. As exportações de café somaram, neste período, US$ 3,5 bilhões referentes a 20,1 milhões de sacas de café. 

O Brasil continua sendo o maior produtor, maior exportador e segundo maior consumidor de café do mundo, com inegável peso neste mercado. Agora, sem depender do café como há 50 anos, fica bem mais fácil para o Brasil repensar toda sua política para o setor. 

A "Green Coffee Association" divulgou que os estoques americanos de café verde totalizaram 5.561.576 em 31 de agosto de 2013. Um aumento de 129.195 sacas em relação às 5.432.381 sacas existentes em 31 de julho de 2013. 

Até o dia 19, os embarques de agosto estavam em 891.661 sacas de café arábica, e 80.872 sacas de café conillon, somando 972.533 sacas de café verde, mais 94.905 sacas de café solúvel, contra 898.798 sacas no mesmo dia de agosto. Até o dia 19, os pedidos de emissão de certificados de origem para embarque em setembro totalizavam 1.898.275 sacas, contra 1.696.383 sacas no mesmo dia do mês anterior. 

A bolsa de Nova Iorque – ICE, do fechamento do dia 13, sexta-feira, até o fechamento de hoje, sexta-feira, dia 20, caiu nos contratos para entrega em dezembro próximo, 535 pontos ou US$ 7,08 (R$ 15,72) por saca. Em reais por saca, as cotações para entrega em dezembro próximo na ICE fecharam no dia 13 a R$ 361,92/saca e hoje, dia 20 a R$ 336,53/saca. Hoje, sexta-feira, nos contratos para entrega em dezembro, a bolsa de Nova Iorque fechou com baixa de 115 pontos. No mercado calmo de hoje, são as seguintes cotações nominais por saca, para os cafés verdes, do tipo 6 para melhor, safra 2013/2014, condição porta de 
armazém: 

R$300/320,00 - CEREJA DESCASCADO – (CD), BEM PREPARADO. 
R$280/290,00 - FINOS A EXTRAFINOS – MOGIANA E MINAS. 
R$270/280,00 - BOA QUALIDADE – DUROS, BEM PREPARADOS. 
R$250/260,00 - DUROS COM XÍCARAS MAIS FRACAS. 
R$240/250,00 - RIADOS. 
R$220/230,00 - RIO. 
R$240/245,00 - P.BATIDA P/O CONSUMO INT.: DURA. 
R$230/235,00 - P.BATIDA P/O CONSUMO INT.: RIADAS. 

               DÓLAR COMERCIAL DE SEXTA-FEIRA: R$ 2,2190 PARA COMPRA.

Fonte: Escritório Carvalhaes

0 comentário