Milho safrinha: colheita começa e preços recuam à R$ 11 em Sorriso (MT)

Publicado em 17/06/2013 06:11 e atualizado em 17/06/2013 11:26 731 exibições

Produtores de Nova Mutum (a 264 km de Cuiabá) estão atrasando a colheita do milho por não ter onde armazenar o cereal. Apesar dos trabalhos no campo ainda estarem no início, os produtores já começam a enfrentar a falta de espaço nos silos, ainda ocupados com a soja colhida neste ano. Como relata o produtor Claudeci Pavlak, que iniciou a colheita há 10 dias numa área plantada de 940 hectares, a intenção era entregar 8 mil sacas de milho diariamente às empresas compradoras do cereal, mas com a recusa em receber o produto neste momento, ele tem retirado da propriedade cerca de 3 mil sacas de milho por dia.

-- “Por isso, vou fazer uma pausa e retomar a colheita na semana que vem”. Como comercializou apenas parte da produção prevista, o produtor recorrerá ao sistema de armazenagem em silos. “Preferimos nos antecipar e entregar o milho logo no começo da colheita porque evitamos as filas de caminhões nos armazéns”.

Mas, segundo relato do produtor Jeirri Guizzo, os atrasos para entregar as cargas de milho são grandes, justamente por causa da quantidade de caminhões nas portas das unidades armanezadoras. “As empresas estão demorando para receber e isso está gerando muita fila de caminhão”. Guizzo diz que tem conseguido garantir apenas uma viagem por dia até a trading, quando num ritmo normal conseguia realizar até 5 viagens diárias.

-- “Aqui a situação é preocupante, porque muitos produtores ainda não venderam o milho e as empresas estão demorando para receber”.

Nesta safra ele plantou 1,2 mil hectares e calcula uma produção de 7,2 mil toneladas. Assim como outros produtores da região, ele irá recorrer aos silos bag para estocar o milho produzido.

Presidente do Sindicato Rural de Nova Mutum comenta que os produtores estão preocupados com as condições de armazenagem. Em todo o Estado, a estimativa do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) é que sejam colhidas 17,372 milhões de toneladas do grão, sendo 11,5% a mais que na safra 2012/2013 (15,586 milhões/t).

Segundo informações repassadas pelo funcionário de uma trading em Nova Mutum, o recebimento do milho terá início na próxima semana e ritmo estabelecido é o mesmo adotado no ano passado. “Estamos comercializando dentro do cronograma”.

 

SITE SÓ NOTÍCIAS DIZ QUE EM NOVO MUTUM/MT A COLHEITA DE MILHO CHEGA A 5% E LUCRO PREOCUPA

 

Em Nova Mutum a colheita do milho safrinha está na fase inicial, informa o presidente do Sindicato Rural de Nova Mutum, Luiz Carlos Gonçalves.. “Estamos no início, havia uma preocupação quanto as chuvas, mas elas apareceram antecipadamente e isso auxiliou os homens do campo. Nossa expectativa é boa e torcermos para uma boa lucratividade”, afirmou, ao Só Notícias.A previsão do plantio da entressafra no município é de 170 mil hectares. Ainda segundo o sindicato, uma das preocupações é quanto a lucratividade.

“Houve variedades de sementes em que o saco de 20 kg teve custo aproximado de R$ 400. Isso levando em consideração semente, adubação, herbicidas entre outros aspectos. Estamos de olho quanto a situação do preço, nossa expectativa é de sejam produzidas 120 sacas por hequitare e que a saca atinja a média de R$ 15”, afirma Gonçalves. Para Rafael Cerci, corretor de grãos que atua no município, o raciocínio é o mesmo.

-- “Hoje o milho FOB tem preço base na cidade de R$ 12. Para que a boa expectativa dos produtores quanto a comercialização seja alcançada este valor ainda tem que subir”, afirma.O sindicato cerca de 5% da safrinha está colhida, a previsão de plantio da entressafra em Nova Mutum corresponde a cerca de 45% da área de soja safra passada, que atingiu 350 mil hectares plantado.

(Só Noticias - MT - 17/06)

 

NO PR E MT PREÇOS DO MILHO VOLTAM A RECUAR COM INÍCIO DA COLHEITA 


Os preços do milho voltaram a recuar na média das regiões acompanhadas pelo Cepea, pressionados pelo início da colheita nos Estados do Paraná e Mato Grosso, avaliou o instituto de análises nesta sexta-feira.Segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), as principais quedas ocorreram em Mato Grosso, onde os preços recuaram ao menor nível desde meados de setembro de 2010. As cotações externas também baixaram, o que pressiona os valores negociados nos portos, acrescentou.Entre 6 e 13 de junho, as cotações na região de Sorriso (MT) cederam 7,5 por cento no mercado disponível, voltando para 11,17 reais por saca de 60 kg.Na última semana, o indicador ESALQ/BM&FBovespa, referente à região de Campinas (SP), recuou 3,3 por cento, fechando a 26,33 reais por saca de 60 kg.

 

PREÇOS DO MILHO DEVEM RECUAR NA ÍNDIA POR CHUVAS E BOM PLANTIO

 

Os futuros do milho na Índia devem ser negociados em baixa na próxima semana, pressionados pelo progresso rápido das monções, expectativas de melhores condições para plantio, mas os estoques menores e oferta apertada no Estado de Bihar devem limitar as quedas.Os produtores começaram a plantar, e o avanço rápido das chuvas deve ajudar o plantio, disseram traders.

As monções da Índia já haviam coberto dois terços do país até esta sexta-feira, disse o chefe do departamento meteorológico do país, L. S. Rathore a repórteres, indicando chuvas abundantes e uma maior produção agrícola neste ano.

O milho é cultivado duas vezes por ano, durante o verão e o inverno, na Índia, maior exportador do grão da Ásia, com a maior contribuição proveniente da safra de verão.

"A área de milho deve ser maior nesta temporada, pois as chuvas estão amplas. Os preços devem recuar na próxima semana", disse Prerana Desai, vice-presidente de pesquisa da Kotak Commodities.

(Reuters - SP - 17/06)

Tags:
Fonte:
GazetaMT/Sonoticias/Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário