Marina busca aproximação com agronegócio via setor sucroalcooleiro

Publicado em 27/08/2014 06:04 e atualizado em 27/08/2014 14:08 1115 exibições
na Folha de S. Paulo

A equipe de Marina está se aproximando do agronegócio por meio do setor sucroalcooleiro, insatisfeito com Dilma. O etanol ficou menos vantajoso devido ao represamento do preço da gasolina.

A candidata deve se encontrar com cerca de 40 empresários em um jantar, na sexta (29), na casa do empresário Plínio Nastari, que é consultor da Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar).

O encontro deve ter a presença da presidente da entidade, Elizabeth Farina, e do ex-presidente Marcos Jank. O ex-ministro de Lula e empresário Roberto Rodrigues também deve comparecer.

"Converso bastante sobre o agronegócio com o grupo da Marina desde 2012", diz Junk, hoje executivo da BRF (empresa que reúne marcas como Sadia, Perdigão e Batavo).

O interlocutor da campanha com os produtores é João Paulo Capobianco, que coordena uma ONG sobre sustentabilidade e que participou de reunião da Sociedade Rural Brasileira nesta terça (26).

"Não existe uma posição consolidada do agronegócio em relação a Marina. O que existe é uma insegurança, e vamos esclarecer que isso não tem fundamento", diz.

Aliados de Marina dizem a empresários que, se eleita, ela fará valer o Código Florestal e não pretende criar novas leis. Isso agrada aos pecuaristas. "Os pecuaristas querem virar a página dessa discussão", disse o presidente da SRB (Sociedade Rural Brasileira), Gustavo Diniz Junqueira.

Equipe de Marina diz a investidores que fará reformas

Em sua estratégia de buscar apoios no setor privado, a equipe de Marina Silva (PSB) participou nesta terça (26) de reunião com um grupo de investidores brasileiros e estrangeiros e prometeu encaminhamento imediato de três reformas se ela vencer a eleição presidencial: política, tributária e administrativa.

Coordenador-geral da campanha de Marina, Walter Feldman disse à Folha que foi uma reunião focada em aspectos políticos, com os investidores interessados em saber como a candidata do PSB, se eleita, vai garantir a governabilidade e como lidará com sua falta de experiência em cargos executivos.

O evento foi realizado a convite do Itaú BBA, braço de investimentos do banco Itaú, que tem entre seus sócios Maria Alice Setúbal, a Neca, responsável pelo programa de governo da candidata.

Leia a notícia na íntegra no site da Folha de S. Paulo

Tags:
Fonte:
Folha de S. Paulo

1 comentário

  • Valdir Edemar Fries Itambé - PR

    O "diálogo" de MARINA e o que dizem seus "aliados" são verdadeiras ESTROVENGAS, e divergem entre eles... ..."Aliados de Marina dizem a empresários que, se eleita, ela fará valer o Código Florestal e não pretende criar novas leis". Isso agrada aos pecuaristas?? Para muitos produtores rurais NÃO. ... MARINA APENAS GARANTE DIÁLOGO COM O AGRONEGÓCIO, mas o que ela afirma em seu diálogo abre margem para ampliarmos os questionamentos em relação à sua posição autoritária e radical... Isto ela tem demonstrado, conforme publicado em artigo no site RURAL BR...LINK - http://agricultura.ruralbr.com.br/noticia/2014/08/marina-silva-garante-dialogo-com-agronegocio-e-nega-que-setor-tenha-restricoes-a-ela-4579932.html

    Na verdade a CANDIDATA MARINA SILVA, SINALIZA UM DIÁLOGO CADA VEZ MAIS DIFÍCIL DE SER ENTENDIDO PELO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO... A leitura que faço em relação ao que cita a matéria publicada no site do CANAL RURAL, nos leva a uma interpretação que AUMENTAM A DESCONFIANÇA em relação ao "DIÁLOGO" de MARINA, descrito em texto

    enviado online à redação do NOTICIAS AGRÍCOLAS...

    0