Mercado de café: DÓLAR AMERICANO FIRMA E PRESSIONA COMMODITIES

Publicado em 09/11/2014 06:35 166 exibições
por Rodrigo Costa

O Banco Central Europeu aprovou com unanimidade o plano de compra de títulos da entidade, que incrementará seu balanço em 1 trilhão de euros para os próximos dois anos, e o presidente Mario Draghi disse que estudará outros estímulos para a região – embora sempre mencione que é necessário esforços dos países membros em fazer reformas estruturais.

O desemprego nos Estados Unidos no mês de outubro caiu para 5.8%, o nível mais baixo desde julho de 2008. A boa notícia vem acompanhada do aumento da participação na força de trabalho, e estes fatores contribuíram para o Dow Jones e o S&P500 fazerem novas altas históricas – uma bela recuperação da queda durante o mês que chegou próximo a 9% em um momento.

O dólar americano neste cenário reina quase que absoluto, firmando bastante sobre diversas moedas, e pressionando as commodities – que são denominadas em dólar.

O café em Nova Iorque fechou a semana com perdas de US$ 7.41 por saca, e em Londres apenas US$ 1.74 mais baixo. Diante de uma liquidação de fundos em diversas matérias-primas e de um Real que negociou a R$ 2.5881, a performance não foi de toda ruim.

Por outro lado o gráfico fica vulnerável e um novo mergulho abaixo de 180.00 centavos para o contrato de março de 2014 vai causar um frio na espinha dos altistas que acompanham a posição comprada dos fundos de perto. Aliás, muito tem se falado sobre a liquidação dos fundos de índice que de fato terão que diminuir sua posição, mas que só acontecerá no começo de 2015 e eu particularmente acho improvável que alguém se antecipe as estas vendas antes de ter uma idéia do pegamento das floradas no Brasil..

O mercado físico foi um pouco melhor movimentado, muito embora em volume tímido. Compradores mantêm uma postura calma no gerenciamento dos seus livros, aproveitando para fazer fixações (leia-se, comprar futuros) já que os diferenciais não estão tão interessantes quanto há duas semanas.

A tranquilidade dos países consumidores é reflexo do constante incremento dos estoques no destino, transferência que é justificada pela subida dos preços no ano e que mantém o fluxo alto com os vendedores performando disciplinadamente suas vendas feitas durante todo o período. Prova da movimentação do inventário é o recorde que o Brasil acaba de bater nos três primeiros meses de embarque de seu ano safra, com um volume de exportação de 12,378,146 sacas, atrás apenas dos 12,083,164 sacas de julho a outubro de 2010.

Outro país que se destaca é a Colômbia, que tanto o volume de produção como de exportação não para de subir, voltando aos patamares que não víamos desde 2008. A Guatemala, entretanto, teve a pior exportação acumulada em doze meses desde 1993/1994, com um total de 3,11 milhões de sacas, sofrendo ainda os efeitos da ferrugem que infestou seus cafezais.

Novas estimativas para a safra brasileira de 2015/2016 estão sendo comentadas por alguns agentes, e os números estão menos pessimistas do que anteriormente se falava – não custa dizer que ainda é prematuro falar algo diante de tanta incerteza. Para fins de exercício devemos questionar os alarmistas que apontam para uma safra menor que 40 milhões de sacas, pois se a produção de conillon for de 17 milhões de sacas, teremos que ver um volume da produção do arábica menor do que 23 milhões de sacas para que isto aconteça.

As chuvas têm sido mais regulares, com volume razoável, e com isto as fotos mostram árvores todas salpicadas de branco. Porém em diversas regiões nota-se um desfolhamento acentuado, fazendo com que agrônomos alertem para um pegamento aquém do ideal.

O COT (relatório de posicionamento dos traders) indicou que os fundos diminuíram seus longs para os níveis das conversas de “pré-seca” de outubro, o que me faz imaginar que não veremos uma liquidação muito maior, pois muitos querem ao menos esperar até Dezembro para terem uma noção melhor das lavouras brasileiras.

Uma recuperação do dólar e o arábica respeitando os 180 centavos, vão desestimular os vendedores e na sequência deve provocar uma correção que acelerará recompras com um eventual rompimento dos nível de US$ 193.70 para contrato de março de 2015.

Uma boa semana e bons negócios a todos.
Rodrigo Costa*

Tags:
Fonte:
Archer Consulting

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário