Editorial do Estadão declara apoio à candidatura de Serra: um novo marco no compromisso da imprensa com a democracia

Publicado em 25/09/2010 20:40 e atualizado em 26/09/2010 13:41
1188 exibições

O Estadão publica hoje um editorial em que declara apoio à candidatura do tucano José Serra à Presidência da República. E diz por que o faz. Nego-me a sintetizar os motivos. A síntese reduziria o alcance de um texto que, por vários motivos, tem tudo para entrar para a história.

Num momento em que isenção se confunde com isentismo, em que pluralidade se confunde com falta de clareza sobre os fundamentos de uma sociedade democrática e de direito, em que apartidarismo se confunde com omissão, o Estadão evoca seus 135 anos de compromisso com a liberdade e afirma o que acredita ser o melhor para o país.

Lula acusou a imprensa de se comportar como um partido político. O editorial faz uma distinção primorosa: Há uma enorme diferença entre se comportar como um partido político e tomar partido numa disputa eleitoral em que estão em jogo valores essenciais ao aprimoramento se não à própria sobrevivência da democracia neste país. Bingo! Digno dos 135 anos de história!

A decisão do jornal é tanto mais corajosa porque, a se dar crédito aos adivinhos e politicólogos ad hoc, já se conhece o resultado das urnas antes mesmo de o eleitor fazer a sua escolha. Dia desses, enviaram-me um editorial de um patético anão moral explicando, em linguagem jacobina e condoreira, por que apoiava a candidatura oficial, emprestando a seu oficialismo bem-remunerado ares de resistência e luta aguerrida. Um texto asqueroso!

O Estadão declara a sua opção, e há no texto que segue não mais do que princípios. Trata-se de um novo marco no compromisso da imprensa com a democracia.
*
O mal a evitar

A acusação do presidente da República de que a Imprensa se comporta como um partido político é obviamente extensiva a este jornal. Lula, que tem o mau hábito de perder a compostura quando é contrariado, tem também todo o direito de não estar gostando da cobertura que o Estado, como quase todos os órgãos de imprensa, tem dado à escandalosa deterioração moral do governo que preside. E muito menos lhe serão agradáveis as opiniões sobre esse assunto diariamente manifestadas nesta página editorial. Mas ele está enganado. Há uma enorme diferença entre se comportar como um partido político e tomar partido numa disputa eleitoral em que estão em jogo valores essenciais ao aprimoramento se não à própria sobrevivência da democracia neste país.

Com todo o peso da responsabilidade à qual nunca se subtraiu em 135 anos de lutas, o Estado apoia a candidatura de José Serra à Presidência da República, e não apenas pelos méritos do candidato, por seu currículo exemplar de homem público e pelo que ele pode representar para a recondução do País ao desenvolvimento econômico e social pautado por valores éticos. O apoio deve-se também à convicção de que o candidato Serra é o que tem melhor possibilidade de evitar um grande mal para o País.

Efetivamente, não bastasse o embuste do nunca antes, agora o dono do PT passou a investir pesado na empulhação de que a Imprensa denuncia a corrupção que degrada seu governo por motivos partidários. O presidente Lula tem, como se vê, outro mau hábito: julgar os outros por si. Quem age em função de interesse partidário é quem se transformou de presidente de todos os brasileiros em chefe de uma facção que tanto mais sectária se torna quanto mais se apaixona pelo poder. É quem é o responsável pela invenção de uma candidata para representá-lo no pleito presidencial e, se eleita, segurar o lugar do chefão e garantir o bem-estar da companheirada. É sobre essa perspectiva tão grave e ameaçadora que os eleitores precisam refletir. O que estará em jogo, no dia 3 de outubro, não é apenas a continuidade de um projeto de crescimento econômico com a distribuição de dividendos sociais. Isso todos os candidatos prometem e têm condições de fazer. O que o eleitor decidirá de mais importante é se deixará a máquina do Estado nas mãos de quem trata o governo e o seu partido como se fossem uma coisa só, submetendo o interesse coletivo aos interesses de sua facção.

Não precisava ser assim. Luiz Inácio Lula da Silva está chegando ao final de seus dois mandatos com níveis de popularidade sem precedentes, alavancados por realizações das quais ele e todos os brasileiros podem se orgulhar, tanto no prosseguimento e aceleração da ingente tarefa - iniciada nos governos de Itamar Franco e Fernando Henrique - de promover o desenvolvimento econômico quanto na ampliação dos programas que têm permitido a incorporação de milhões de brasileiros a condições materiais de vida minimamente compatíveis com as exigências da dignidade humana. Sob esses aspectos o Brasil evoluiu e é hoje, sem sombra de dúvida, um país melhor. Mas essa é uma obra incompleta. Pior, uma construção que se desenvolveu paralelamente a tentativas quase sempre bem-sucedidas de desconstrução de um edifício institucional democrático historicamente frágil no Brasil, mas indispensável para a consolidação, em qualquer parte, de qualquer processo de desenvolvimento de que o homem seja sujeito e não mero objeto.

Se a política é a arte de aliar meios a fins, Lula e seu entorno primam pela escolha dos piores meios para atingir seu fim precípuo: manter-se no poder. Para isso vale tudo: alianças espúrias, corrupção dos agentes políticos, tráfico de influência, mistificação e, inclusive, o solapamento das instituições sobre as quais repousa a democracia - a começar pelo Congresso. E o que dizer da postura nada edificante de um chefe de Estado que despreza a liturgia que sua investidura exige e se entrega descontroladamente ao desmando e à autoglorificação? Este é o cara. Esta é a mentalidade que hipnotiza os brasileiros. Este é o grande mau exemplo que permite a qualquer um se perguntar: Se ele pode ignorar as instituições e atropelar as leis, por que não eu? Este é o mal a evitar.

Por Reinaldo Azevedo
A incrível fluência de um governador chamado Gaguim e a tramóia de um bilhão de real
Carlos Gaguim com Lula: governador é o homem dos petistas no Tocantins

Carlos Gaguim com Lula: governador é o homem dos petistas no Tocantins

Quando a corrupção faz ninho na Casa Civil da Presidência da República, a metros do gabinete presidencial, tem-se um sinal de que o ambiente anda favorável a falcatruas. A reportagem O triângulo da Corrupção, na VEJA desta semana, trata das investigações que mostram os vínculos dos governadores doTocantins (Carlos Gaguim)Amapá (Pedro Paulo Dias) e Mato Grosso do Sul (André Puccinelli) com quadrilhas acusadas de desviar fortunas dos cofres públicos. E os três são candidatos à reeleição!

As histórias são espantosas. A do Tocantins de Carlos Garguim choca também pela ousadia. O governador se preparava, calculem!, para terceirizar nada menos de 22 mil funcionários públicos que, diga-se, já são contratados sem concurso. A máquina administrativa do estado seria praticamente entregue ao empresário José Carlos Cepera, numa operação saudada por um dos intermediários do negócio  como coisa de um bilhão de real (sic).

Segue um trecho da reportagem de Marcelo Esperandio, Julia de Medeiros e André Vargas:
()
Proprietário de seis empresas de limpeza e segurança registradas em nome de laranjas, Cepera contava com a boa-vontade de autoridades para vencer licitações superfaturadas no Tocantins e também nas cidades paulistas de Campinas, Hortolândia, Mauá e Indaiatuba. O Ministério Público paulista descobriu que o grupo operava o esquema desde 2004, pelo menos. Segundo os promotores, o bando amealhou contratos fraudulentos com órgãos públicos que somam, no total, 615 milhões de reais. Uma única licitação, lançada pela Secretaria de Educação do Tocantins, responde por mais da metade do total: 332 milhões de reais. Os indícios de superfaturamento eram tão gritantes que logo foi alvo de questionamentos do Tribunal de Contas do Tocantins. Nem por isso Manduca [intermediário de Cepera], Cepera e o governador Gaguim deixaram de festejar a bandalha.

Em 13 de março último, Cepera pagou um fim de semana cinco-estrelas para a turma em São Paulo. O empresário gastou 19800 reais para comprar um camarote para sua patota assistir à corrida da Fórmula Indy na capital paulista. Hospedou Gaguim no luxuoso Unique Hotel, ofereceu-lhe um churrasco e deixou um helicóptero à sua disposição. Preocupou-se até em evitar que Gaguim, que deve seu nome ao fato de tartamudear, padecesse da solidão do homem contemporâneo na metrópole fria e impessoal. Mandou-lhe uma moça que se apresenta como Delinda e que, pouco antes, tinha feito uma visitinha a Manduca - que, pelo jeito, provou, aprovou, antes de passar adiante. No dia seguinte. Cepera telefonou a Gaguim para saber se ele tinha gostado do fim de semana. A carne que o Manduca ofereceu estava boa ou meia dura?, indagou Cepera. Gaguim não titubeou: Show de bola!.

Por Reinaldo Azevedo
Por Reinaldo Azevedo

Que o governo tenha um plano para controlar a mídia que vai muito além do controle remoto, para lembrar a piadinha de Dilma Rousseff, disso ninguém duvida. A coisa está lá sendo gestada no Planalto, e seu operador é o companheiro Franklin Martins, cujas credenciais de amor à democracia são históricas e de todos conhecidas. Os embates das duas últimas semanas, especialmente depois que as lambanças da Casa Civil vieram à tona, o provam. A conversa de José Dirceu com sindicalistas na Bahia também foram bastante emblemáticas da qualidade do debate que vai no PT: a mídia estaria associada ao poder econômico contra o partido Imaginem! Como se os petistas tivessem deixado algum poder econômico para os outros

A beligerância oficial contra o jornalismo atingiu o auge quando o presidente da República afirmou que a mídia era o verdadeiro partido de oposição e que ela deveria assumir que tem um candidato. Na sua cola, delinqüentes resolveram fazer um ato contra a mídia golpista. Alguns dos promotores da manifestação fracassada são assalariados do poder.

A sociedade civil anda meio anestesiada, mas não está morta. Entre o fim da tarde de quarta e a noite de ontem, mais de 32 mil pessoas já havia assinado o Manifesto em Defesa da Democracia. Ele não se limita a defender a liberdade de expressão; também cobra que o presidente Lula cumpra a lei e se comporte de acordo com o decoro que seu cargo exige. Em duas pesquisas de opinião, Datafolha e Ibope, a vantagem da petista Dilma Rousseff sobre seus oponentes caiu cinco pontos percentuais.

Lula, então, redescobriu o valor da humildade!

Ao discursar ontem  num comício em Porto Alegre, afirmou:
Quando a matéria dos jornais sai falando mal da gente, ninguém gosta. Quando fala bem, o ego da gente cresce. O que a gente precisa é ter humildade para nem ficar com muito ego quando fala bem nem ficar com muita raiva quando fala mal. A democracia é exatamente isso: cada um fala o que quer, escreve o que quer, transmite o que quer e o povo, na última hipótese, faz o grande julgamento.

Fosse mesmo esse o seu pensamento, estaria QUASE tudo certo. É uma pena que este seja o Lula que acabou acuado por sua próprias palavras e que isso seja um mero recuo tático. Essas variações de humor, aliás, são típicas de um pai que gosta de exercer a sua tirania amorosa: ora afaga, ora dá porrada; o importante e demonstrar aos filhinhos quem tem a autoridade. Caia nessa conversa quem quiser. Já vimos esse filme antes.

A imprensa que ele satanizou durante duas semanas seguidas é aquela que demonstrou um propinoduto no coração de seu governo. E só por isso ele ficou tão bravo. Seus apaniguados não conseguiram nem mesmo reunir um número considerável de bate-paus para defender os ataques boçais que foram feitos à imprensa.

O amor do PT pela liberdade de imprensa será testado caso a criatura eleitoral de Lula seja bem-sucedida nas urnas:

1 - plano para controlar a imprensa existe; tentarão colocá-lo em prática?
2 - a delinqüência na Internet continuará a ser financiada com dinheiro público e de estatais?
3 - a verba publicitária do Ministério da Verdade continuará a ser empregada para comprar consciências e para financiar o jacobinismo a favor?

Escrevi que está QUASE tudo certo na sua fala acima caso fosse sincera. O que há de errado nela: O POVO NÃO JULGA COISA NENHUMA, MEU SENHOR!Caso Dilma seja eleita, isso não quer dizer que a) ele concorda com a corrupção;b) que a corrupção não exista, e tudo seja mera guerra de versões, coisa da imprensa livre.

Qualquer que seja o resultado das urnas, a imprensa não está em julgamento, entendeu, presidente?

Por Reinaldo Azevedo

Em sólidas democracia do mundo, as eleições são um bom momento para que se aclarem posições. No Brasil, costumam servir para a confusão. Em 2007, Dilma Rousseff concedeu uma entrevista à revista Marie Claire e defendeu a descriminação do aborto com todas as letras. Afirmou então:
Abortar não é fácil para mulher alguma. Duvido que alguém se sinta confortável em fazer um aborto. Agora, isso não pode ser justificativa para que não haja a legalização.

Tinha, então, 60 anos, tempo mais do que suficiente para ter uma opinião sólida a respeito. E ela a emitiu. Em recente conversa gravada com um grupo de jornalistas, já candidata, afirmou a mesma coisa. Ocorre que a maioria da população é contra a legalização do aborto, mesma postura de todas as igrejas cristãs respeitáveis, inclusive a maior delas, a Católica. Bem, se é assim, cumpre, então, esconder o que se pensa ou engrolar um discurso ambíguo, que não fica nem lá nem cá.

No debate de quinta-feira promovido pela CNBB, Dilma falou a respeito. Vamos ver


Transcrevo a sua fala. 


Atenção para os trechos em destaque:

Eu também tenho uma posição clara em defesa da vida. Acho que a vida é um valor que nós, seres humanos, temos de respeitar, temos de honrar e, sobretudo, temos de perceber a dimensão transcendente dela. Por isso, eu não acredito que mulher nenhuma seja favorável ao aborto. O aborto é uma violência contra a mulher. Eu, pessoalmente, não sou favorável ao aborto. Como presidente da República, se eleita, eu terei de tratar da questão das milhares de mulheres pobres deste país que usam métodos absolutamente, eu diria assim, bárbaros e que correm, sistematicamente, risco de vida. Elas têm de ser protegidas. E é nesse sentido que eu afirmei sempre que isso é uma questão de saúde pública. Não é uma questão que pode confundir-se com a minha opção por um processo de favorecimento do aborto. Não acho que isso resulte em nenhum benefício para a sociedade. Agora, considero também que a legislação vigente já prevê os casos em que o aborto é factível e eu não sei se acho que seria necessário ampliar esses casos; não vejo muito sentido.

Comento
Como se nota, nos momentos em que consegue ser quase assertiva, Dilma está negando o que disse há três anos. As mulheres de que ela fala já são hoje protegidas pelo sistema de saúde se há gente que fica sem atendimento, é por causa da precariedade do sistema. Nenhum médico se nega a dispensar cuidados a uma paciente que tenha tentado um aborto usando os tais métodos bárbaros.

Releiam a resposta e verão que, embora Dilma tenha uma opinião a respeito do aborto para consumo eleitoral, não disfarça a essência do seu pensamento. Vê a questão apenas segundo a ótica da saúde da mulher. É claro que ela é importantíssima. Mas parece que ficou faltando outro termo fundamental da equação não é mesmo? Quem será ele?

No encerramento da resposta, a sua dúvida é vazada em termos até engraçados: Eu não sei se acho que seria necessário ampliar esses casos Não sabe? Pois é O que diz João Santana? E arremato lembrando que o Plano Nacional-Socialista de Direitos Humanos, que ganhou forma final da Casa Civil, de que Dilma era a titular, trazia a proposta da legalização do aborto.

Por Reinaldo Azevedo

Eis aqui um texto delicado sobre tema delicado, com uma opinião deste escriba que desagrada a muitos leitores. Bem, fazer o quê? Vocês me lêem porque sempre escrevo o que penso. É há coisas que, de fato, dividem a valer a opinião dos leitores do blog. A chamada Lei do Ficha Limpa é uma delas.

Eu me alinho entre aqueles que a consideram flagrantemente inconstitucional. Uma pessoa só é considerada condenada depois que sua sentença tenha transitado em julgado. Enquanto for essa a lei e enquanto vigorar a Constituição que temos, é um absurdo lógico privar de direitos quem quer que seja em razão de uma condenação que pode ser revista. Atenção! Essa é uma questão que não é nem de direita nem de esquerda. Trata-se, entendo, de não ceder ao populismo judicial.

A situação patética em que se encontra o STF hoje que deixa o meio jurídico perplexo decorre justamente do fato de que estamos diante de uma lei especiosa, que afronta a ordem legal. Acho falacioso o argumento de que não se está transgredindo a Constituição porque apenas se estabelece uma condição a mais no caso, de exclusão para e elegibilidade. Assim como se exige, dizem, que um candidato a Presidência tenha idade mínima de 35 anos, exige-se que os políticos tenham ficha limpa, nas condições estabelecidas na lei.

Devagar aí! A inelegibilidade à Presidência das pessoas com menos de 35 anos não nasce de uma condenação judicial que é PROVISÓRIA até que a sentença não tenha transitado em julgado. O critério é de outra natureza. A sociedade decidiu, por meio de seus representantes, que essa idade mínima daria mais segurança ao processo político. Ok, pode-se debater se a exigência é boa ou ruim. Mas é certo que um tribunal não poderá rever a idade de uma pessoa com 25, declarando ter ela 35, por exemplo. Já um tribunal superior pode rever a sentença do tal colegiado de juízes.

A Justiça é lenta? Os processos se arrastam? Pois que se veja como resolver a questão. O que não é possível, entendo, é violar a Constituição e estabelecer atalhos para moralizar ex machina o processo político, afrontando o que diz a Carta. Não é possível! A janela que se abre, por onde passa esse benefício, pode permitir a passagem de muitos malefícios.

Incomoda-me também, e muito!, a pobreza argumentativa dos que  apóiam a lei. Ainda ontem, o ministro Ricardo Lewandowski, ao defender a aplicação da lei já neste 2010, concentrou a sua defesa neste argumento: A Lei da Ficha Limpa presta inequívoca homenagem aos princípios da probidade administrativa e moralidade, que constituem, a meu ver, o próprio cerne do regime republicano.

Argumento ruim, ministro! Aliás, ARGUMENTO PÉSSIMO! É uma variante, com retórica meio balofa, do direito achado na rua. O cerne do regime republicano, num estado democrático e de direito, é o cumprimento da lei. Talvez a figura histórica que mais tenha se dedicado a defender a probidade num regime republicano tenha sido Robespirre. Sua eficiência se contou em cabeças

Deixando de lado a questão constitucional e jurídica que parece mesmo indefensável , dizem muitos: Ah, mas alguns bandidos não poderão se candidatar. Pode até ser. Ocorre que, quando se manda a lei às favas para pegar bandido, pode-se mandá-la também para pegar pessoas de bem. Ou um sistema que desrespeita a Constituição por bons motivos não pode desrespeitá-la por maus motivos, a depender do poder de turno?

Lei permite caça às bruxas
Poucas pessoas atentaram para o fato de que, entre os indivíduos inelegíveis, estão as que ATENÇÃO!!!

forem excluídos do exercício da profissão, por decisão sancionatória do órgão profissional competente, em decorrência de infração ético-profissional, pelo prazo de 8 (oito) anos, salvo se o ato houver sido anulado ou suspenso pelo Poder Judiciário

Trata-se de um troço escandaloso! Órgão profissional assumiu agora a posição de STF ou STJ, a depender do caso. É claro que se abre aí a porta para perseguições de toda natureza. Imaginem se o PT consegue mesmo aprovar o Conselho Federal de Jornalismo nas condições que os esquerdopatas sempre imaginaram podendo cassar a licença profissional de jornalistas Tenham paciência! As coisas não podem se misturar dessa maneira, não! Isso é uma aberração!

E Peluso?
Lamentável, de resto, a postura de Cesar Peluzo, presidente do STF, no julgamento de quinta-feira. A ele, presidente do tribunal, caberia o desempate e é por isso, e só por isso, que tem a prerrogativa, na presidência, de votar duas vezes. Qualquer coisa que fizesse seria compreensível e facilmente defensável. Mas não! Optou pelo caminho mais fácil para ele e mais difícil para a sociedade. Quem ganha com o impasse? Ninguém, a não ser, talvez, ele próprio, que preferiu se livrar de um peso que é um dos atributos do cargo.

Concluindo
O conjunto da obra não cheira bem, de modo nenhum! Vejo um Supremo que já foi infiltrado por uma espécie de populismo judicial, preocupado demais com o alarido e, em alguns casos, de menos com o cumprimento da Constituição. Que um parlamentar diga na Câmara e no Senado coisas como se o povo quer, esta Casa quer, vá lá. A um ministro do Supremo, cabe dizer outra coisa: Se o povo quer, esta Casa só quererá se estiver de acordo com a Constituição.

E o Ficha Limpa não está. E, se não está, mas recebe mesmo assim as bênçãos, pode ser apenas uma das vezes em que a Corte Suprema do país endossará a violação do texto Constitucional pelo qual lhe cumpre zelar. Arremato dizendo que estou pouco me lixando se isso deixa Rorizes, Jáderes e caterva fora da política. Eles são pequenos demais para justificar a violação da Constituição.

É o que eu penso.

Por Reinaldo Azevedo

Editorial do Estadão declara apoio à candidatura de Serra: um novo marco no compromisso da imprensa com a democracia

O Estadão publica hoje um editorial em que declara apoio à candidatura do tucano José Serra à Presidência da República. E diz por que o faz. Nego-me a sintetizar os motivos. A síntese reduziria o alcance de um texto que, por vários motivos, tem tudo para entrar para a história.

Num momento em que isenção se confunde com isentismo, em que pluralidade se confunde com falta de clareza sobre os fundamentos de uma sociedade democrática e de direito, em que apartidarismo se confunde com omissão, o Estadão evoca seus 135 anos de compromisso com a liberdade e afirma o que acredita ser o melhor para o país.

Lula acusou a imprensa de se comportar como um partido político. O editorial faz uma distinção primorosa: Há uma enorme diferença entre se comportar como um partido político e tomar partido numa disputa eleitoral em que estão em jogo valores essenciais ao aprimoramento se não à própria sobrevivência da democracia neste país. Bingo! Digno dos 135 anos de história!

A decisão do jornal é tanto mais corajosa porque, a se dar crédito aos adivinhos e politcólogos ad hoc, já se conhece o resultado das urnas antes mesmo de o eleitor fazer a sua escolha. Dia desses, enviaram-me um editorial de um patético anão moral explicando, em linguagem jacobina e condoreira, por que apoiava a candidatura oficial, emprestando a seu oficialismo bem-remunerado ares de resistência e luta aguerrida. Um texto asqueroso!

O Estadão declara a sua opção, e há no texto que segue não mais do que princípios. Trata-se de um novo marco no compromisso da imprensa com a democracia.
*
O mal a evitar

A acusação do presidente da República de que a Imprensa se comporta como um partido político é obviamente extensiva a este jornal. Lula, que tem o mau hábito de perder a compostura quando é contrariado, tem também todo o direito de não estar gostando da cobertura que o Estado, como quase todos os órgãos de imprensa, tem dado à escandalosa deterioração moral do governo que preside. E muito menos lhe serão agradáveis as opiniões sobre esse assunto diariamente manifestadas nesta página editorial. Mas ele está enganado. Há uma enorme diferença entre se comportar como um partido político e tomar partido numa disputa eleitoral em que estão em jogo valores essenciais ao aprimoramento se não à própria sobrevivência da democracia neste país.

Com todo o peso da responsabilidade à qual nunca se subtraiu em 135 anos de lutas, o Estado apoia a candidatura de José Serra à Presidência da República, e não apenas pelos méritos do candidato, por seu currículo exemplar de homem público e pelo que ele pode representar para a recondução do País ao desenvolvimento econômico e social pautado por valores éticos. O apoio deve-se também à convicção de que o candidato Serra é o que tem melhor possibilidade de evitar um grande mal para o País.

Efetivamente, não bastasse o embuste do nunca antes, agora o dono do PT passou a investir pesado na empulhação de que a Imprensa denuncia a corrupção que degrada seu governo por motivos partidários. O presidente Lula tem, como se vê, outro mau hábito: julgar os outros por si. Quem age em função de interesse partidário é quem se transformou de presidente de todos os brasileiros em chefe de uma facção que tanto mais sectária se torna quanto mais se apaixona pelo poder. É quem é o responsável pela invenção de uma candidata para representá-lo no pleito presidencial e, se eleita, segurar o lugar do chefão e garantir o bem-estar da companheirada. É sobre essa perspectiva tão grave e ameaçadora que os eleitores precisam refletir. O que estará em jogo, no dia 3 de outubro, não é apenas a continuidade de um projeto de crescimento econômico com a distribuição de dividendos sociais. Isso todos os candidatos prometem e têm condições de fazer. O que o eleitor decidirá de mais importante é se deixará a máquina do Estado nas mãos de quem trata o governo e o seu partido como se fossem uma coisa só, submetendo o interesse coletivo aos interesses de sua facção.

Não precisava ser assim. Luiz Inácio Lula da Silva está chegando ao final de seus dois mandatos com níveis de popularidade sem precedentes, alavancados por realizações das quais ele e todos os brasileiros podem se orgulhar, tanto no prosseguimento e aceleração da ingente tarefa - iniciada nos governos de Itamar Franco e Fernando Henrique - de promover o desenvolvimento econômico quanto na ampliação dos programas que têm permitido a incorporação de milhões de brasileiros a condições materiais de vida minimamente compatíveis com as exigências da dignidade humana. Sob esses aspectos o Brasil evoluiu e é hoje, sem sombra de dúvida, um país melhor. Mas essa é uma obra incompleta. Pior, uma construção que se desenvolveu paralelamente a tentativas quase sempre bem-sucedidas de desconstrução de um edifício institucional democrático historicamente frágil no Brasil, mas indispensável para a consolidação, em qualquer parte, de qualquer processo de desenvolvimento de que o homem seja sujeito e não mero objeto.

Se a política é a arte de aliar meios a fins, Lula e seu entorno primam pela escolha dos piores meios para atingir seu fim precípuo: manter-se no poder. Para isso vale tudo: alianças espúrias, corrupção dos agentes políticos, tráfico de influência, mistificação e, inclusive, o solapamento das instituições sobre as quais repousa a democracia - a começar pelo Congresso. E o que dizer da postura nada edificante de um chefe de Estado que despreza a liturgia que sua investidura exige e se entrega descontroladamente ao desmando e à autoglorificação? Este é o cara. Esta é a mentalidade que hipnotiza os brasileiros. Este é o grande mau exemplo que permite a qualquer um se perguntar: Se ele pode ignorar as instituições e atropelar as leis, por que não eu? Este é o mal a evitar.

Por Reinaldo Azevedo

Caso Dilma seja eleita, terá de lidar com a herança maldita de Dilma!

marco-antonio-correios-e-mailQuem é este homem, e o que faz aí este pedaço de um e-mail? Você vai saber logo, leitor.

Será que a demissão de Erenice Guerra da Casa Civil pôs um ponto final no esquema de corrupção que se instalou no coração do governo? Quem acompanha casos assim sabe que, nessa área, não existe lugar para francos-atiradores e para, digamos assim, a livre iniciativa. Os protagonistas de escândalos costumam ser peças de uma engrenagem. Reportagem da VEJA desta semana intitulada Os segredos do lobista, de Diego Escosteguy e Rodrigo Rangel evidencia que o governo Lula e um eventual governo Dilma festeja seus feitos sobre um barril de pólvora. O estopim é o ressentimento daqueles que foram ficando pelo meio do caminho. Uma das histórias cabeludas dá conta de um pedido de R$ 5 milhões de propina para resolver pendências da campanha da petista à Presidência.

VEJA gravou duas conversas com Marco Antonio de Oliveira (foto), ex-diretor dos Correios. Ele é tio de Vinicius Castro, sócio de Israel Guerra (filho de Erenice). É aquele rapaz que, ao encontrar uma montanha de R$ 200 mil em sua gaveta, exclamou: Caraca! Que dinheiro é esse? É Marco Antonio quem assegura: A Casa Civil virou uma roubalheira. Só para não esquecer: ele está se referindo ao ministério de que a titular era Dilma só depois Erenice assumiu o bastão. Íntimo do poder ele é. Foi diretor da Infraero no primeiro mandato de Lula e é chapa de Paulo Bernardo, ministro do Planejamento. Marco Antonio foi personagem ativa em todas as lambanças até agora conhecidas envolvendo o clã de Erenice. Como informa a reportagem, seu papel era fazer a prospecção de clientes. Ele diz que a roubalheira na Casa Civil destruiu a sua família e, como na música de Chico, é um pote até que de mágoa.

Muito bem. Agora é preciso ligar o segundo parágrafo ao primeiro. Lembram-se de Rubnei Quícoli, o empresário que denunciou que Israel e sua turma haviam pedido 5% de taxa de sucesso para intermediar um empréstimo do BNDES? Pois é. Segue trecho da reportagem de VEJA. Volto em seguida.

Na semana passada, em entrevista à VEJA, Quícoli voltou a acusar Erenice, seu filho Israel e Marco Antonio de exigirem 5 milhões de reais para a campanha presidencial de Dilma Rousseff e de Hélio Costa, candidato do PMDB ao governo de Minas Gerais. Na semana passa¬da, VEJA investigou as circunstâncias dessas tratativas - e descobriu que elas não se restringiram a um simples, isolado e despretensioso pedido de doação para campanha.

Em entrevistas gravadas com os principais personagens desse episódio, a reportagem confirmou que houve reuniões sigilosas entre as partes envolvidas, viagens internacionais para tratar dos acertos e até mesmo trocas de e-mails com detalhes financeiros da negociata. Ou seja: foram cumpridas todas as etapas comuns a esse tipo de negociata. O caso começou em outubro do ano passado, quando o lobista Rubnei Quícoli se aproximou da turma de Erenice Guerra, em busca do apoio político para assegurar a liberação de um empréstimo no BNDES. Marco Antônio confirmou a aproximação. Após as primeiras conversas, conta Quícoli, surgiu a fatura. As duas famílias exigiam o pagamento de 40000 mensais, uma taxa de sucesso e, de quebra, o tal bônus antecipado de 5 milhões de reais: O Marco Antônio disse que tinha de entregar o dinheiro na mão da Erenice, pois ela precisava pagar umas contas da Dilma e também pretendia ajudar o Hélio Costa. Quícoli afirma que Marco Antônio não especificou que tipo de contas Dilma precisaria quitar.

Voltei
Leia a reportagem com os detalhes escabrosos da operação. O governo ataca a imprensa e tenta desqualificar a denúncia por causa da ficha criminal de Quícoli. Caberia perguntar como já fez o próprio, diga-se por que alguém com a sua ficha foi recebido com pompa na Casa Civil. Mas isso é o de menos. Ele incomoda porque, até agora, conseguiu apresentar evidências de todas as acusações que faz. Desta feita, ele exibe um e-mail  (aquele lá do alto) em que lhe foi passada uma conta no exterior, em Hong Kong, onde deveriam ser depositados os R$ 5 milhões. O titular dessa conta é Roberto Ribeiro, genro de Marco Antônio, que chegou a vir ao Brasil só para tratar do assunto. Leia os detalhes na revista.

Caso Dilma seja eleita, terá de lidar com uma herança maldita: a herança de Dilma!

Por Reinaldo Azevedo

A semente da resistência

A capa da VEJA desta semana mostra a estrela do PT vazando os artigos da Constituição que garantem a liberdade de imprensa. Abaixo da imagem, o título: Liberdade sob ataque.

capa-veja-estrela-constituicaoReproduzo, em seguida, a Carta ao Leitor desta semana:
*
Uma reportagem desta edição de VEJA reflete sobre os ataques que o exercício da imprensa livre vem sofrendo no Brasil e, mais radicalmente, em alguns países vizinhos, sendo os casos mais graves registrados na Venezuela e na Argentina. A reportagem mostra que, no Brasil, isso se deve em grande parte à concepção de mundo dos atuais governantes petistas, em que não cabe o conceito de jornalismo independente. Essa deformação decorre das convicções de alguns que continuam ruminando a idéia totalitária do leninismo, segundo a qual governo e povo se confundem e, portanto, a imprensa não tem o direito de criticar as autoridades.

Em uma reportagem de capa de agosto de 2004, VEJA já alertava para esse preocupante traço da identidade petista, que chamou de tentação autoritária.

Naquela ocasião, o que motivou a reportagem foi a tentativa de restabelecer controles externos à imprensa por meio de um projeto de lei enviado pelo governo ao Congresso. Dado o alerta por VEJA, o governo produziu as desculpas de sempre, segundo as quais foi um engano, recolheu o projeto e o engavetou. Mas continuou como brasa dormida a intenção de controlar, cercear, monitorar, constranger e punir jornalistas.

De lá para cá, houve muitas outras tentativas semelhantes, e ainda hoje a tentação autoritária paira no ar como uma ameaça permanente. Na semana passada, a brasa voltou a ser atiçada pelo presidente Lula e pelos dirigentes de seu partido, secundados pelo vasto contingente de mercenários recrutados a preço de ouro nos porões da internet e pagos com o suado dinheiro dos brasileiros que trabalham e recolhem impostos.

Por revelar a existência de um balcão de negócios escusos na Casa Civil da Presidência da República, VEJA e os grandes jornais foram chamados de golpistas, uma vez que a notícia poderia ter potencial para tirar votos da candidata oficial, Dilma Rousseff. Pela primeira vez houve uma forte reação de pessoas de consciência, que assinaram um manifesto pela manutenção do direito constitucional à liberdade de expressão e foram às ruas de São Paulo denunciar a veia autoritária do PT.

O manifesto teve como signatários ícones da defesa da liberdade e da luta contra a ditadura, gente da estatura de Hélio Bicudo, fundador do PT, do cardeal Paulo Evaristo Arns e de Therezinha Zerbini, pioneira na luta pelos direitos humanos no Brasil. Numericamente, é um grupo pequeno. Como símbolo de resistência democrática, dificilmente se poderia produzir uma manifestação mais enfática.

carta-semente1

Por Reinaldo Azevedo

Ou a liberdade de imprensa ou o pântano da censura

Leia trecho da reportagem de capa de VEJA, de autoria de Fábio Portela. Comento em seguida.
*
Os reflexos da sucessão de escândalos que fizeram a lama subir até o gabinete mais próximo da Presidência da República e derrubaram até agora sete servidores fizeram-se sentir pela primeira vez nas pesquisas eleitorais divulgadas na semana passada (). A queda provocou uma violenta reação do governo. Não contra os acusados de malfeitorias e corrupção na Casa Civil, de onde emanaram os episódios mais cabeludos, mas contra quem os denunciou. Em uma série de comícios e entrevistas, o presidente Lula dedicou a semana a desferir ataques contra a imprensa com uma virulência inédita.
()
Nos países democráticos, a liberdade de imprensa não é um assunto discutível, mas um dado da realidade. E nem eventuais opiniões divergentes, exageros e mesmo erros passíveis de arbitragem e punição cometidos por jornalistas podem pôr em risco o direito de informar, o dever de fiscalizar e de alertar sobre os abusos perpetrados por quem está no poder. Quando um presidente da República tenta enxovalhar a imprensa que o critica e ameaça derrotá-la, significa que acaba de adentrar o temível pântano da censura - e pouca coisa pode ser mais deletéria do que isso para uma democracia. Ao sujar suas botas nesse lodo. Lula se aproxima do que há de pior na política da América Latina. Trilha o caminho dos caudilhos e ombreia-se com tiranetes do porte de Hugo Chávez, o presidente venezuelano que, para não ver suas próprias contradições expostas, solapou jornais, emissoras de rádio e chegou a fechar o principal canal de TV da Venezuela, a RCTV.

Comento
Vale a pena ler a íntegra da reportagem. O trecho que reproduzo acima é especialmente importante porque nos lembra que, nas democracias, a liberdade de imprensa não está submetida a ataques especulativos. Ela é elemento constitutivo da natureza do regime.

Por Reinaldo Azevedo

Tags:
Fonte: Blog Reinaldo Azevedo (Veja)

Nenhum comentário