CNA, EMBRAPA e ANA conclamam países a aderir à proposta da criação de áreas de proteção permanente ao redor do mundo

Publicado em 16/03/2012 09:28 600 exibições
Em apresentação no 6º Fórum Mundial da Água, a presidente da CNA destacou o potencial do Brasil para cumprir as metas da FAO de aumentar a produção mundial de alimentos.
A presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu, em nome dos agricultores brasileiros, da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e da Agência Nacional de Águas (ANA), propôs que o instituto da APP (Área de Preservação Permenente) seja criado como norma vinculante em todos os países do mundo, devido a sua importância para a preservação da água dos rios, nascentes e encostas de grande recarga, nesta terça-feira, no 6º Fórum Mundial da Água, em Marselha, na França.
A iniciativa, baseada na bem-sucedida experiência brasileira, visa incentivar a criação, em todo o mundo, de áreas em que sejam protegidas às margens de rios e nascentes, a fim de preservar os recursos hídricos. 
“O que nós queremos é encontrar adeptos a um conceito mundial de áreas de proteção permanente e que, aos poucos, cada país possa, de forma autônoma e soberana, ir adotando uma legislação própria para a plantação e a conservação das matas ciliares”, disse a presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu, durante a palestra “Sustentabilidade do Agronegócio Brasileiro”. 
“Não estamos aqui para acusar ninguém, cada país tem sua realidade histórica. O que nós precisamos fazer neste momento é, com humildade, unir os nossos conhecimentos e nossos esforços para corrigir os erros”, completou.
No auditório do Espaço Brasil no Fórum, ao lado de Paulo Varella, diretor da Agência Nacional de Águas (ANA), e Gustavo Curcio, pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a presidente da CNA chamou atenção para a necessidade de unir o conhecimento científico à consciência dos cidadãos na luta para a preservação dos recursos hídricos do planeta.     
“O Brasil tem uma lei rigorosa e minuciosa de preservação da vegetação nativa nas margens, encostas e nascentes. Então, por que não compartilhar esse modelo com o mundo?” indagou a senadora. Ela levará esse novo conceito para a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável – Rio+20, em junho, no Rio de Janeiro.
“Queremos que, na Rio+20, outros países possam aderir a esse conceito e seguir em busca de uma legislação”, acrescentou.  De acordo com a legislação brasileira, as Áreas de Proteção Permanente (APPs) são aquelas localizadas ao longo de cursos d’água, nas nascentes e nas áreas de forte recarga.
Potencial do Brasil para aumentar a produção de alimentos
Maior agricultura tropical do planeta e primeiro produtor e exportador mundial de café, suco de laranja e açúcar, o Brasil ganha destaque no Fórum Mundial da Água na medida em que cresce a preocupação com a necessidade de aumentar a oferta de alimentos e, ao mesmo tempo, preservar os recursos hídricos.
Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês), a agricultura já usa 70% da água doce disponível no mundo. A FAO estima, ainda, que a produção mundial de comida precisa crescer 60% até 2050 para alimentar a crescente população mundial, que deverá chegar a 9,3 bilhões de habitantes em 2050.
“No Brasil, temos um potencial agrícola irrigável de 29 milhões de hectares e só irrigamos cinco milhões de hectares” observou a presidente da CNA. E completa: “Imagine, então, se aplicarmos as tecnologias de agricultura de baixo carbono e de plantio direto, entre outras, além de ampliar nossas áreas irrigáveis, o quanto nós, brasileiros, podemos contribuir para cumprir a meta da FAO, aumentando nossa produtividade e nossa produção agrícola sem derrubar uma única árvore”, ressaltou.
Fonte:
CNA

0 comentário