Milho: Após quedas, mercado passa por correção técnica e exibe leves ganhos

Publicado em 15/09/2014 12:55 331 exibições

Durante os negócios na Bolsa de Chicago (CBOT), os futuros do milho reverteram as perdas e registram leves ganhos na sessão desta segunda-feira (15). Por volta das 12h24 (horário de Brasília), as principais posições da commodity exibiam ligeiras altas, com valorizações entre 0,25 e 0,75 pontos. O vencimento dezembro/14 era cotado a US$ 3,39 por bushel.

Frente às quedas recentes, na semana anterior, os principais vencimentos fecharam a sexta-feira (12) com desvalorizações entre 2,71% e 2,87%, o mercado passa por uma correção técnica. Ainda na última semana, o dezembro/14 recuou ao patamar de US$ 3,35 por bushel, o mais baixo desde junho de 2010. O mercado continua pressionado pela perspectiva de grande safra nos Estados Unidos, estimada em mais de 365 milhões de toneladas, pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). 

"A expectativa de uma safra de trigo recorde mundial e expectativas de recorde de milho nos EUA e na produção de soja ao longo da temporada 2014-2015 estão pesando fortemente sobre os preços dos grãos mundiais," disseram analistas do Rabobank, em entrevista à Bloomberg.

Segundo o consultor em agronegócio, Ênio Fernandes, em algumas localidades dos EUA, os produtores já iniciaram a colheita e os números vão de encontro com as projeções do mercado. "Ainda assim, os preços têm espaço para recuar um pouco mais devido à entrada de produto físico no mercado. Porém, acredito que estamos perto do fundo do poço", explica o consultor.

Enquanto isso, as projeções em relação ao clima mais frio, especialmente nas Dakotas do Sul e do Norte, se confirmaram, mas não ocasionaram danos significativos para a cultura, conforme dados do site Farm Futures. Ainda hoje, o USDA divulga novo boletim de acompanhamento de safras. Na semana anterior, o órgão informou que cerca de 74% das plantações de milho apresentavam boas ou excelentes condições, um dos melhores índices dos últimos anos.

O consultor ainda sinaliza que a tendência é que as cotações do cereal oscilem pouco nos próximos trinta dias na Bolsa de Chicago. “O mercado até tentou especular em relação ao clima, pois é muito raro ter um clima tão favorável ao desenvolvimento da cultura. E para os grandes players, o interessante é que o mercado oscile, uma vez que com movimentos menores, a margem de lucros é menor”, explica Fernandes.

Demanda

Paralelo a esse cenário, o consultor destaca que a demanda não é suficiente para gerar uma modificação no quadro. E diante dos preços do cereal nos menores patamares dos últimos quatro anos, os produtores norte-americanos permanecem mais cautelosos nas vendas antecipadas, assim como os agricultores brasileiros.

Nesta segunda-feira, o USDA anunciou a venda de 120 mil toneladas de milho para o México. O volume deverá ser entregue na temporada 2014/15. Já os números dos embarques semanais do cereal foram reportados em 741.230 mil toneladas até a semana encerrada no dia 11 de setembro.

Em relação à semana passada, o número representa uma queda, já que, o volume divulgado anteriormente, foi de 1.197,385 milhão de toneladas. No mesmo período de 2013, a quantidade embarcada foi de 512.734 mil toneladas. E no acumulado do ano safra, com início em 1º de setembro, os embarques são de 1.466,782 milhão de toneladas, contra 720.119 mil toneladas no acumulado no ano safra anterior. 

Tags:
Por:
Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário