Milho abre a semana com poucas movimentações de olho no tamanho da safra brasileira

Publicado em 11/05/2020 09:26 e atualizado em 11/05/2020 12:15 540 exibições
Chicago sobe após frio nos EUA neste fim de semana

LOGO nalogo

A segunda-feira (11) começa com os preços futuros do milho se movimentando em campo misto na Bolsa Brasileira (B3). As principais cotações registravam flutuações entre 0,10% negativo e 0,53% positivo por volta das 09h14 (horário de Brasília).

O vencimento maio/20 era cotado à R$ 49,90 com queda de 0,10%, o julho/20 valia R$ 46,99 com estabilidade, o setembro/20 era negociado por R$ 45,49 com alta de 0,53% e o novembro/20 tinha valor de R$ 47,85 com estabilidade.

No final da última semana, a Agência Reuters informou que a consultoria Safras & Mercado reduziu sua estimativa de produção para a segunda safra de milho 2019/20 do Brasil para 69,56 milhões de toneladas, ante as 73,8 milhões de toneladas estimadas em levantamento anterior, devido à falta de chuvas.

“Em relação ao desempenho do ciclo de 2018/19, a nova projeção para a safrinha de milho representa queda de 6,5%. Com a revisão, a perspectiva de produção total de milho do Brasil nesta temporada também baixou, para 101,5 milhões de toneladas, ante projeção anterior de 105,7 milhões de toneladas”, diz a publicação.

Mercado Externo

Na Bolsa de Chicago (CBOT) a semana começa com leves altas para os preços internacionais do milho futuro. As principais cotações registravam movimentações positivas entre 1,25 e 2,75 pontos por volta das 09h05 (horário de Brasília).

O vencimento maio/20 era cotado à US$ 3,21 com valorização de 2,75 pontos, o julho/20 valia US$ 3,21 com ganho de 1,75 pontos, o setembro/20 era negociado por US$ 3,26 com elevação de 1,75 pontos e o dezembro/20 tinha valor de US$ 3,37 com alta de 1,25 pontos.

Segundo informações do site internacional Successful Farming, os contratos futuros de grãos pouco mudaram nas negociações da noite para o dia à medida que os investidores buscam novas notícias sobre demanda e clima.

“A demanda por produtos agrícolas dos EUA de compradores estrangeiros tem sido promissora ultimamente, mas há uma preocupação persistente com as compras domésticas, já que as empresas de frigoríficos mantêm as fábricas fechadas ou operam com capacidade limitada, em meio a preocupações contínuas sobre a propagação do vírus COVID-19”, aponta a analista Tony Dreibus.

A publicação ainda aponta que a produção de etanol despencou nas últimas semanas devido ao baixo consumo de combustível, enquanto os passageiros e os viajantes ficam em casa, mas o clima frio no Meio-Oeste americano sustentou os preços.

“As temperaturas da noite para o dia atingiram valores entre 20 e 30 ºF (entre -6 e -1 ºC) em vários estados do Meio-Oeste no fim de semana, o que causou preocupação aos agricultores”, diz Dreibus.

Relembre como fechou o mercado na última sexta-feira:

>> Milho fecha a semana subindo no mercado físico com dólar e vendedores cautelosos

Tags:
Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário