Milho: B3 abre a quinta-feira com poucas movimentações e de olho na colheita

Publicado em 04/06/2020 09:23 e atualizado em 04/06/2020 12:02 228 exibições
Chicago começa o dia subindo após dados do etanol

LOGO nalogo

A quinta-feira (04) começa com poucas movimentações para os preços futuros do milho na Bolsa Brasileira (B3). As principais cotações registravam flutuações máximas de 0,19% negativo por volta das 09h07 (horário de Brasília).

O vencimento julho/20 era cotado à R$ 43,70 com baixa de 0,09%, o setembro/20 valia R$ 42,76 com perda de 0,19%, o novembro/20 era negociado por R$ 45,45 com estabilidade e o janeiro/21 tinha valor de R$ 46,65 com estabilidade.

Mais uma vez, as cotações respondiam aos trabalhos de colheita da segunda safra que seguem avançando nas regiões produtoras da segunda safra. Além disso, o dólar caia 1,03% por volta das 09h17 (horário de Brasília) e era cotado à R$ 5,03.

Mercado Externo

Já a Bolsa de Chicago (CBOT) abriu o dia com leves altas para os preços internacionais do milho futuro. As principais cotações registravam movimentações positivas entre 0,75 e 1,75 pontos por volta das 09h05 (horário de Brasília).

O vencimento julho/20 era cotado à US$ 3,25 com valorização de 1,75 pontos, o setembro/20 valia US$ 3,30 com ganho de 1,50 pontos, o dezembro/20 era negociado por US$ 3,39 com elevação de 1,00 ponto e o março/21 tinha valor de US$ 3,51 com alta de 0,75 pontos.

Segundo informações do site internacional Successful Farming, os futuros do milho começam o dia subindo após aumento da demanda semanal por etanol nos Estados Unidos. A contagem desta semana da produção de etanol nos EUA mostrou a maior quantidade de combustível renovável produzido, desde março, de acordo com a Energy Information Administration.

Na semana que terminou em 29 de maio, a produção de etanol aumentou 5,7%, ou 40.000 barris por dia (b/d), para 765.000 b/d - equivalente a 32,13 milhões de galões diários e o maior volume desde março.

Agora os comerciantes aguardam o relatório semanal de vendas de exportação do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

Relembre como fechou o mercado na última quarta-feira:

>> Milho termina a quarta-feira desvalorizado no Brasil

Tags:
Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário