Cotações do milho na B3 abrem a 5ªfeira em campo misto

Publicado em 13/08/2020 09:27 e atualizado em 13/08/2020 11:49 194 exibições
Chicago sobe após novo reporte do USDA

LOGO nalogo

A quinta-feira (13) começa com os preços futuros do milho operando em campo misto na Bolsa Brasileira (B3). As principais cotações registravam movimentações entre 0,34% negativo e 0,27% positivo por volta das 09h21 (horário de Brasília).

O vencimento setembro/20 era cotado à R$ 56,35 com alta de 0,12%, o novembro/20 valia R$ 56,15 com ganho de 0,27%, o janeiro/21 era negociado por R$ 56,11 com queda de 0,34% e o março/21 tinha valor de R$ 55,30 com estabilidade.

O dólar começou o dia perdendo força ante ao real e caia 0,96% sendo cotado à R$ 5,38 por volta das 09h16 (horário de Brasília).

Mercado Externo

Já os preços internacionais do milho futuro iniciaram o dia subindo na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registravam movimentações positivas entre 5,50 e 6,00 pontos por volta das 09h14 (horário de Brasília).

O vencimento setembro/20 era cotado à US$ 3,20 com elevação de 6,00 pontos, o dezembro/20 valia US$ 3,33 com valorização de 6,00 pontos, o março/21 era negociado por US$ 3,44 com alta de 5,75 pontos e o maio/21 tinha valor de R$ 3,52 com ganho de 5,50 pontos.

Segundo informações do site internacional Successful Farming, os futuros de milho subiram no comércio da madrugada, depois que o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) restringiu sua perspectiva de acabar com os estoques de safras antigas.

O USDA fixou que os estoques de milho no final da campanha de 2019-2020 em 31 de agosto agora estão em 2,22 bilhões de bushels (55,88 milhões de toneladas), contra a projeção do mês anterior de 2,24 bilhões (56,896 milhões) e abaixo da estimativa de comércio de 2,26 bilhões (57,404 milhões).

Já os estoques de milho no final da campanha de comercialização de 2020-2021, que começa em 1º de setembro, estão agora em 2,756 bilhões de bushels (70,002 milhões de toneladas), um salto ano a ano e um aumento em relação à previsão de julho para 2,648 bilhões de bushels (67,259 milhões), disse o governo. Os analistas estimaram os estoques de milho da nova safra em 2,8 bilhões de bushels (71,120 milhões de toneladas).

A produção de milho está agora em 15,278 bilhões de bushels (388,061 milhões de toneladas), com produtividade de 181,8 bushels por acre (190,1 sacas por hectare), acima da previsão do mês anterior de 15 bilhões de bushels (381 milhões de toneladas) e produção de 178,5 bushels por acre (186,7 sacas por hectare), disse o USDA. Os analistas esperavam que a agência aumentasse sua previsão de produção para 15,177 bilhões de bushels (385,495 milhões de toneladas) com rendimento de 180,5 bushels por acre (188,8 sacas por hectare).

Relembre como fechou o mercado na última quarta-feira:

>> Preço do milho sobe no Brasil nesta 4ªfeira e “não mostra espaço para quedas”

Tags:
Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário