Justiça manda Vale parar produção de maior mina de MG; diz O Globo

Publicado em 04/02/2019 12:37
470 exibições

Por decisão da Justiça, a Vale terá de interromper o funcionamento da mina Brucutu, na cidade mineira de São Gonçalo do Rio Abaixo, maior mina de ferro em operação em Minas Gerais, com produção de 30 milhões de toneladas de minério. A informação foi publicada no blog do colunista Lauro Jardim, do O Globo.

Com isso, as ações da mineradora (SA:VALE3) recuam 1,12% a R$ 45,73.

De acordo com a nota, a decisão liminar foi tomada após o Ministério Público Federal de Minas Gerais impetrar com ação. Com isso, a mineradora terá que parar de lançar rejeitos na adutora de Brucutu até que preste uma série de esclarecimentos e informações ao MP.

O jornalista destaca que a barragem de Brucutu não é do tipo " a montante", como Brumadinho, mas convencional. A informação é que a Vale deve recorrer da decisão.

Ibovespa sofre realização de lucro e cai; mercado repercute Congresso e exterior fraco

LOGO REUTERS

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista passava por um ajuste negativo nesta segunda-feira, após alta relevante acumulada desde o começo de ano, em movimento puxado pelos papéis de bancos e da Vale, tendo como pano de fundo um cenário externo marginalmente desfavorável e a repercussão da eleição no Congresso no país.

Às 11:57, o Ibovespa caía 0,69 por cento, a 97.187,27 pontos. O volume financeiro somava 2,9 bilhões de reais.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa atingiu na última sexta-feira nova máxima histórica para fechamento, a 97.861,27 pontos, acumulando em 2019 alta de 11,35 por cento.

No exterior, Wall Street caminhava para uma abertura fraca, antes de resultados como o da Alphabet, enquanto petróleo recuava e o dólar valorizava-se ante uma cesta de moedas.

Entre sexta-feira e sábado, o parlamentares brasileiros elegeram os presidentes da Câmara dos Deputados (Rodrigo Maia/DEM-RJ) e Senado (Davi Alcolumbre/DEM-AP), evento amplamente aguardado por ser considerado no mercado essencial para o avanço de fato do andamento das reformas.

"Do ponto de vista da aprovação de uma reforma da Previdência relevante, o risco diminuiu na Câmara - embora a tramitação possa demorar um tanto a mais - e aumentou moderadamente no Senado", avalia a equipe da consultoria Rosenberg Associados, conforme nota a clientes.

"De toda forma, será preciso avaliar ainda como se dará, efetivamente, a presidência de Alcolumbre. Somando todos os vetores, parecem ainda elevadas as chances de aprovação da reforma da Previdência, mesmo que mais demorada", disse.

DESTAQUES

- VALE perdia 1,54 por cento, em meio ao horizonte ainda complicado para a mineradora após o desastre em Minas Gerais com o rompimento de uma barragem da companhia.

- BRADESCO PN cedia 0,87 por cento, em queda após fortes ganhos na semana passada na esteira do balanço trimestral e das metas divulgadas para 2019.

- ITAÚ UNIBANCO PN caía 0,36 por cento, antes da divulgação do resultado do quarto trimestre nesta segunda-feira, após o fechamento do mercado.

- BB SEGURIDADE recuava 2,01 por cento, em sessão com dados do setor de seguros, que, conforme nota do Itaú BBA, mostraram lucro fraco para dezembro.

- GOL PN subia 3,69 por cento, engatando a quarta alta seguida, dada a fraqueza recente do dólar frente ao real e tendo no radar a recuperação judicial da rival Avianca Brasil.

- PETROBRAS PN cedia 0,35 por cento, afetado pelo declínio do petróleo. PETROBRAS ON era negociada em baixa de 0,43 por cento.

- MARFRIG mostrava elevação de 3,59 por cento, segunda alta seguida, com o ganho em fevereiro já alcançando cerca de 9 por cento.

Fonte: Investing + Reuters

Nenhum comentário