Publicidade

Chicago: Operando com leves oscilações, grãos têm dia da consolidação

Publicado em 13/11/2012 10:55 676 exibições
Depois de dois pregões consecutivos de expressivo recuo, os futuros dos grãos negociados na Bolsa de Chicago voltam a operar do lado positivo da tabela nesta terça-feira (13). Na manhã de hoje, a soja chegou a subir mais de 10 nas posições mais próximas, porém, por volta das 11h30 (horário de Brasília), os ganhos já eram mais tímidos. Milho e trigo operavam próximos da estabilidade, com oscilações pouco expressivas. 

Para o analista Glauco Monte, da consultoria FCStone, o dia é de consolidação para o mercado nesta terça. Depois de ter sido surpreendido pelos últimos números do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), os preços tentam se consolidar em novos patamares e por isso tentam essa correção na sessão de hoje. 

Monte explica ainda que, apesar desse aumento na oferta e nos estoques projetados pelo departamento norte-americano, por outro lado ainda se vê uma demanda por soja bastante aquecida, sem dar sinais de racionamento. Segundo o especialista, esse poderia ser um fator de equilíbrio frente aos últimos números reportados pelo USDA que causaram as recentes e expressivas quedas. "Como a China tem comprado regularmente, e também outros países, essa queda de preços do lado fundamental pode incentivar algumas compras, principalmente da parte física, e não só dos lados dos fundos de especulação", disse. 

Entretanto, para o analista o mercado ainda tem algum espaço para reagir, mesmo que as cotações não voltem a atingir os patamares históricos dos últimos meses. Isso aconteceria diante de uma demanda ainda muito firme e aquecida e de algum problema que poderia vir a prejudicar a safra da América do Sul. "A demanda e olharmos muito de perto o caminhar da safra na América do Sul são os pontos que podem fazer o mercado voltar, talvez, aos US$ 15/US$ 16 por bushel. Mas voltar aos antigos patamares, acho um pouco difícil". 

Clique no link abaixo e confira mais informações de mercado com a entrevista de Glauco Monte:

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

2 comentários

  • Rudinei Luis Erpen Lagoão - RS

    Boa Noite

    Realmente aqui na região produtora do RS, estamos passando pela primeira estiagem do ano agrícola... ja existem áreas que irão necessitar replantio... uma vez q nao chove a 21 dias, e ainda nao há previsao de chuvas consistentes... tambem acredito que nao teremos safra cheia na america do sul

    0
  • salvador reis neto Santa Tereza do Oeste - PR

    estou com leones severo este movimento de baixas e so um momento,a demanda apertada e as cituaçoes climaticas vao manter os preços atraentes e ate com algulma alta.veja ja a noticia de falta de chuvas no rio grande do sul e no extremo oeste do parana o el nimho nao deu as caras,logo por mais que plantamos nao teremos safra cheia ta mais para safra media.

    0