Deputado Estadual de SC acredita em cancelamento de cobrança de 17% do ICMS sobre os defensivos agrícolas

Publicado em 21/08/2019 15:45 e atualizado em 21/08/2019 16:16
469 exibições
Governador do estado irá se reunir com representantes do agro para buscar um acordo. Mesmo que resolução não seja encontrada, deputado Moacir Sopelsa acredita que Assembleia Legislativa tem votos suficientes para impedir a cobrança.
Moacir Sopelsa - Presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo

Podcast

ICMS em Santa Catarina - Entrevista com Moacir Sopelsa - Presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo

Download

LOGO nalogo

O Notícias Agrícolas segue acompanhando a situação sobre a cobrança de 17% do ICMS sobre defensivos agrícolas no estado de Santa Catarina. Nessa quarta-feira (21) quem falou foi o Deputado Estadual Moacir Sopelsa (MDB), que é presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo.

De acordo com o Sopelsa, está programado um encontro entre o governador do estado, Carlos Moisés, e representantes do setor agro para buscar um acordo sobre esta taxação nesta quinta-feira (22).

O Deputado destaca que os produtores rurais de Santa Catarina vão ser muito prejudicados com a taxação partindo de 0 para 17% as vésperas de uma nova safra de verão e considera a medida prejudicial para a economia estadual, uma vez que os produtos catarinenses vão perder competitividade com relação as demais localidades.

Moacir afirma ainda que, caso uma definição não saia deste encontro, a Assembleia Legislativa tem votos suficientes para barrar essa cobrança e retomar a isenção fiscal aos defensivos agrícolas no estado.

Confira a entrevista completa com o Deputado Estadual de Santa Catarina no vídeo.

Veja mais informações sobre a cobrança do ICMS sobre defensivos agrícolas em Santa Catarina:

>> Insumos agrícolas são taxados com 17% de ICMS em Santa Catarina e safra de verão pode ser prejudicada

>> Aprosoja SC tenta reverter decisão do governador do estado que taxou insumos agrícolas com 17% de ICMS

 

Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário