Retirada da taxação da importação de insumos de fora do Mercosul deve ser para regular preços internos, diz presidente da APCS

Publicado em 27/08/2020 14:26 e atualizado em 28/08/2020 03:33 1539 exibições
Valdomiro Ferreira - Presidente APCS
Valdomir Ferreira aponta que medida deve criar um teto de patamares de preços de soja, milho e arroz no mercado interno, na comparação com o externo

Podcast

Entrevista com Valdomiro Ferreira - Presidente APCS sobre o mercado de Suínos

Download

LOGO nalogo

A possibilidade da retirada temporária da taxação da importação de milho, soja e arroz pelo Brasil de países de fora do Mercosul, veiculada pelo secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, César Halum, é vista com compreensão pelo presidente da Associação Paulista de Criadores de Suínos (APCS), Valdomiro Ferreira. Na opinião do líder em suinocultura, a medida deve servir mais como uma forma de criar um teto de preços para estes insumos.

Ferreira diz que é a favor do livre mercado, mas que acha oportuna a participação do Governo federal para frear momentaneamente os preços destes insumos. 

"Os preços destes produtos estão com valores muito altos e que pressionam o setor de produção de peroteína animal. Aguardamos se essa decisão será aprovada, e a partir daí, o mercado deve falar por si".

Para ele, se a decisão for aceita pelo Comitê Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior, seria necessário colocar as contas na ponta do lápis para avaliar a viabilidade das importações. Ferreira cita os Estados Unidos como um mercado "interessante", e que pode ajudar no abastecimento. 

"Será preciso avaliar a questão cambial, preço no porto, e de onde poderia ser trazido. Segundo uma estimativa, talvez teríamos um déficit de um milhão de toneladas para entrar no mercado mundial. Paralelo a isso, não podemos esquecer que os chineses são grandes compradores, e com o Brasil entrando comprando, não temos certeza se o preço internacional será maior ou menor que os preços internos". 

Em relação aos preços no mercado interno, o líder da APCS explica que vai chegar um momento em que o preço do milho e do farelo de soja terão que se ajustar aos da produção de preoteína animal. Ele acredita que em âmbito doméstico, os preços das carnes estejam chegando próximo a um teto, e que em algum momento será complicado adquirir estes insumos. 

"A partir do momento em que o produtor de milho e farelo de soja perceber que o suinocultor e o avicultor já não têm mais capacidade de comprar estes insumos nos preços em que eles oferecem, o próprio mercado vai se ajustar por conta prórpia. Trazer de fora, talvez numa teoria do mercado livre, seja mais uma opção". 

Ferreira cita a insegurança de não haver volume suficiente de milho e farelo de soja para a produção de proteína animal até o final do ano, ou na primeira quinzena de janeiro. Por outro lado, a logística para trazer os produtos de países mais distantes pode não ser tão viável, devido à demora no transporte e a urgência da necessidade interna. 

+ No Valor Econômico: Governo vai zerar tarifas de importação de soja, milho e arroz

+ ABPA é favorável à extinção de tarifas para importação de milho e soja

+ "Finanças públicas não recomendam medidas como essa", diz economista da Farsul sobre TEC zerada para soja, milho e arroz

 

Por:
Letícia Guimarães
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário