Leite: cai captação no Sudeste e preços devem seguir firmes, com tendência inversa no Sul

Publicado em 03/06/2019 10:19 e atualizado em 03/06/2019 13:55
504 exibições
Na média Brasil na parcial de maio, a produção subiu 0,2%, com o Rio Grande do Sul, especialmente, contrabalançando a maior produção sobre a redução no Sudeste.
Rafael Ribeiro de Lima - Zootecnista - Scot Consultoria

Podcast

Entrevista com Rafael Ribeiro de Lima - Zootecnista - Scot Consultoria sobre o Mercado do Leite

Download

LOGO nalogo

A tendência é que os preços do leite devem seguir firmes após o recuo na captação na região sudeste do país. Em contrapartida, a produção nos estados no sul do país teve um incremento devido aos investimentos dos produtores rurais e a qualidade das pastagens de inverno.

De acordo com o Zootecnista da Scot Consultoria, Rafael Ribeiro Lima, as condições das pastagens foram bastante favoráveis na região sudeste do país em meados de abril. “Agora a tendência é que a captação de leite deve cair nos estados de São Paulo e Minas Gerais e consequentemente ter reflexos na produção. Por outro lado, no sul do país a produção de leite teve incrementos após a qualidade das pastagens de inverno e os investimentos dos produtores”, comenta.

Considerando a média nacional, a captação de leite registrou uma queda de 1,6% no mês de abril e 0,2% de queda durante o mês de maio. “Quando analisamos essa queda no sudeste, observamos que o recuo teve uma variação de 0,5% até 1,6% no mês de maio. Porém, no sul do país tivemos um incremento de 0,4 a 1,8% na produção”, afirma.

Com relação às referências, a média nacional do pagamento referente ao mês de maio teve um incremento 1,5% no preço do leite pago ao produtor. “Apesar do aumento na produção de leite no sul do país, o preço pago ao produtor teve um aumento em todos os outros estados”, pontua.

No caso do consumo, o zootecnista destaca que a expectativa era que a demanda aumentasse a demanda ainda neste primeiro semestre. “Porém, o que observamos são incrementos no consumo estão mais comedidos e a tendência e que com esse período impulsione esta questão do consumo”, relata.

Por: Giovanni Lorenzon e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário