Análise do dia: Milagre Bíblico e Miopia Ambiental

Publicado em 14/06/2012 07:24 e atualizado em 03/09/2013 14:42 1604 exibições
por Joelmir Betting

MILAGRE BÍBLICO

Um terço da população mundial, hoje de 7 bilhões de terráqueos, consome menos de mil calorias por dia. Em estado de desnutrição endêmica, cerca de 1 bilhão passa fome, simplesmente. Se não dá para alimentar com dignidade humana um terráqueo em cada três, vai dar para garantir a segurança alimentar de 9,2 bilhões em 2050? Uma sobrecarga de mais 2,2 bilhões até lá? 

A resposta está no plano político da má distribuição da riqueza entre nações e entre classes de cada nação. No plano técnico, a solução está na erupção de uma verdadeira revolução agroambiental de base científico-tecnológica. Revolução que, aliás, está em curso há pelo menos 30 anos, Brasil no meio. E não por decisões de governo, mas por escolhas de mercado - dos produtores aos consumidores.

Já estamos rompendo o tabu intelectual que trata agropecuária e meio ambiente como entidades hostis, a primeira devastando a segunda.

Não.

O tal do desenvolvimento sustentável não é invenção da Rio + 20. É invenção da lógica de mercados maduros. Crescimento econômico e preservação ambiental não são excludentes ou alternativos. São complementares ou aditivos. Desenvolvimentistas já sacaram isso. Ambientalistas ainda não.

ONGs ambientalistas do Brasil e do mundo, nesta Rio + 20, não se perguntam como alimentar 9,2 bilhões de bocas em 2050, e, muito menos como, até lá, adotar políticas públicas de planejamento familiar. Deixar que o flagelo da fome cresça no mesmo ritmo da cegonha é uma posição intelectualmente preguiçosa - ou ideologicamente criminosa.

Lembra o biólogo Fernando Reinach que, nos últimos 50 anos, ou desde os anos 60, decolagem da engenharia genética e de biotecnologia, a área ocupada pela agropecuária em todo o mundo cresceu 34%. Um terço. 

Mas a produção de alimentos, no mesmo período, cresceu nada menos de 290%. O triplo.

O tal de fazer cada vez mais com cada vez menos. Verdadeiro milagre bíblico da multiplicação do pão, do peixe, do vinho, do leite, do açúcar, da soja, do milho e do trigo. 

É a produtividade, estúpido, que vai salvar a Humanidade. É a produtividade o grande reator do hoje badalado desenvolvimento sustentável. Como se a sustentabilidade fosse coisa nova, invenção de ambientalistas do século 21. 

Voltaremos ao assunto. 

 

MIOPIA AMBIENTAL 


Nesta Rio + 20, um bilhão e meio de famintos pululam pelo planeta. Dois bilhões não têm acesso à água potável. Três bilhões e meio não têm coleta de esgoto. 

Eis a verdadeira tragédia sócioambiental da Humanidade. Aqui no presente e não no aquecimento global lá no futuro.

Pior: a espaçonave Terra não tem como fazer parada técnica para reabastecer as provisões de bordo. Os recursos finitos, por definição, vão acabar. E os recursos renováveis têm de ser produzidos cada vez mais com cada vez menos. Vulgo desenvolvimento sustentável.

Especialmente nos horizontes nublados da segurança alimentar, da segurança energética e da segurança sanitária. Uma revolução agroambiental, já em marcha batida, terá de responder aos desafios dramáticos da comida e da energia.

Pior: os passageiros da espaçonave Terra continuam multiplicando-se ao ritmo da aritmética dos coelhos. Somos 7 bilhões de terráqueos hoje e 9,2 bilhões em 2050, segundo o pop clock da ONU. Como recepcionar a bordo mais 2,2 bilhões de passageiros até 2050? 

É tudo muito simples: para esse aumento de 31% da população, até 2050, o planeta vai ter de aguentar uma sobrecarga de 45% no consumo de energia e de 70% no consumo de alimentos, entre outras demandas.

Essas projeções da ONU jogam com os ganhos de renda por habitante, além do próprio crescimento populacional.Na energia, não tem escapatória: a ordem é limpar a matriz energética do planeta na plataforma elétrica e na plataforma automotiva, entre outras plataformas.

Vai daí que o grande tema da Rio + 20 ficou na fila do gargarejo: o da expansão demográfica, bem mais corrosiva do que o do desmatamento, até porque, a cegonha, também no século 21, vai continuar dando preferência aos pobres dos países pobres e aos pobres dos países ricos. 

A Rio + 20 não tem na agenda global políticas públicas de planejamento familiar - o tal de armistício com o espermatozoide. Ela prefere discutir limites e metas para os 7 bilhões do presente e não para os 9 bilhões do futuro. A tal ponto que o caderno de compromissos da ONU fala em rebaixar as emissões anuais de CO2 de 9 para 1 tonelada por habitante até 2050. 

Ou seja, mais 30% de gente, mais 45% de energia e mais 30% de comida com emissão de apenas 1 tonelada de carbono per capita. Ora, como já disse aqui, fixar metas sem garantias de meios é um exercício intelectual no mínimo demagógico.

Ou preguiçoso. 


MISSÃO IMPOSSÍVEL


Na Rio+20, a ONU vai lançar a missão impossível: até 2050, rebaixar de 9 toneladas para 1 tonelada por ano as emissões de dióxido de carbono liberadas pelo consumo, por habitante, de produtos e serviços em geral. A média brasileira é de 12 toneladas.

Ocorre que a média estatística não deixa de ser a ficção da matemática.

Seria bom combinar com os países ricos a redução de mais de 20 para 1 tonelada por habitante, e, com os pobres, a redução de 4 para 1.

Bem, fixar metas sem garantias de meios é exercício intelectual no mínimo preguiçoso. 

Tags:
Fonte:
Blog Joelmir Betting

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

4 comentários

  • jorge casarin Santo Ângelo - RS

    Tem gente que nasce somente pra complicar, ser do contra sempre em qualquer situação, não interessa o tema, não vê, não ouve, cego, surdo e mudo, radicais ambientalistas, comem filé e arrotam capim, puxam a descarga da cagada que polui os rios e exige dos outros que preservem a natureza, isto me deixa anojado, é o cumulo do ridículo, já ouvi e vi muitos no senado e na câmara federal, desliguei a tv. não resolvi, os merdas continuam vivos.

    0
  • Alexandre Guimarães Conceição do Rio Verde - MG

    Enquanto os produtores estão melhorando a eficiência, produzindo mais em menos, a eficácia, produzindo melhores produtos (como os agroecológicos), os ambientalistas ecoxiitas estão em ambientes com ar-condicionado, comendo hambúrguer, tomando refrigerante e mandando royalties para fora do país. Além de desfilarem com roupinhas sintéticas pela avenida Paulista com cartazes cheios de besteiras, como aquecimento global e gases de efeito estufa. Para os gases deles que usem rolhas usadas em garrafas de vinhos que saem da terra cultivada. Nasce uma nova religião ambiental: http://farnet.com.br/blog/?p=324

    0
  • Miguel Beck Ponta Porã - MS

    Até hoje nunca vi nenhum verdinho destes , apresentar alguma solução para o problema.talvez deem mais importancia para uma PITANGA do que para milhoes de toneladas de cereais.A Presidenta deveria saber oque é prioridade.A verdade é que esta bando de inuteis, quse sempre bancado pelo povo, quer é falar do que não sabe.Riciculos

    0
  • Thomas Renatus Fendel Rio Negro - PR

    ué... esse joelmir betting ainda acredita em aquecimento global?

    ainda fala mal do fabuloso CO2?

    Urge alfabetizar estes analfas...

    0