Safra 2013/14: Com aumento da produção e de soja precoce, caos logístico pode chegar mais cedo, diz Agroconsult

Publicado em 14/01/2014 15:46 e atualizado em 15/01/2014 16:37 1233 exibições

A colheita 2013/14 foi estimada pela Agroconsult em 91,6 milhões de toneladas e, caso esse volume se confirme, será quase 10 milhões de toneladas maior do que a 2012/13, ou 11%. As informações são do sócio-diretor da empresa, André Pessôa, e foram passadas em uma coletiva de imprensa, nesta terça-feira (14), do lançamento do Rally da Safra 2014. 

Segundo Pessôa, há muito mais soja precoce nesta safra, o que deve fazer com que cerca de 42% da colheita já esteja finalizada até o final de fevereiro. Dessa forma o maior volume de concentração da oleaginosa deverá acontecer entre janeiro e fevereiro. O outro período de concentração, ainda de acordo com o executivo, será entre março e abril. 

Com essa concentração acontecendo mais cedo nesta temporada, Pêssoa acredita que o caos logístico no Brasil, portanto, poderá ser instalado mais cedo. "Vai ter muita soja chegando aos portos e isso pode causar um caos logístico mais cedo do que no ano passado", disse o diretor da Agroconsult durante a coletiva.  

Preços - Sobre os preços da soja para a safra 2013/14, André Pêssoa acredita que não serão tão altos quanto os praticados na temporada anterior. Isso diante de patamares mais baixos registrados em Chicago, porém, ainda assim, compensados pela alta do dólar e pelo bom momento da taxa cambial para o produtor brasileiro. 

Além disso, os produtores devem sofrer com custos um pouco mais altos em função do controle da lagarta Helicoverpa, já que os gastos com um maior número de aplicações de defensivos será prontamente refletido. 

Técnicos do Rally da Safra 2014 vão a campo com perspectiva de nova safra recorde

AI Rally da Safra

Brasil deve colher, pelo segundo ano consecutivo, a maior produção de soja de sua história 

Técnicos do Rally da Safra 2014 iniciam a 11ª edição da expedição, a partir desta 5ª feira, 16 de janeiro, na expectativa de encontrar uma supersafra 2013/14, quando o Brasil deverá colher, pelo segundo ano consecutivo, o maior volume de soja de sua história – 91,6 milhões de toneladas, aumento de 11% sobre a safra 2012/13. A área plantada aponta para um crescimento de 7% em relação à passada, alcançando 29,7 milhões de hectares.

A colheita teve início e as primeiras áreas já registram boas produtividades. Porém o clima ainda precisa contribuir positivamente ao longo do primeiro trimestre, principalmente para definição da safra nas regiões Sul e Nordeste. O clima no Sul do Mato Grosso do Sul preocupa pela estiagem prolongada. Algumas regiões - como na Bahia, Maranhão e São Paulo - estão com chuva no limite mínimo aceitável para não causar problemas e qualquer atraso pode causar recuo nas expectativas. 

“Apesar das preocupações causadas pela lagarta Helicoverpa armigera, produtores relatam que a praga está sob controle em todos os estados”, explica André Pessoa, coordenador geral do Rally da Safra e sócio-diretor da Agroconsult. O constante monitoramento e as aplicações para o controle de pragas têm apresentado excelentes resultados, com os focos permanecendo em baixo nível. Além disso, os produtores realizaram aplicações preventivas para controle da ferrugem na soja.

Com relação aos preços, a perspectiva é de queda no mercado internacional mas, no Brasil, o câmbio  - que se valorizou mais de 18% ao longo de 2013 -  tem sido determinante na manutenção de ambiente positivo de investimentos na agricultura. 

O problema continuará sendo a logística para escoamento, em especial porque nesta safra há uma grande concentração de plantio precoce. André Pessoa explica que o pico da colheita será deslocado para a segunda quinzena de fevereiro ou, no máximo, início de março quando, tradicionalmente, era feita na segunda quinzena de março. “Teremos muita colheita de soja nesse período, desafiando novamente as condições logísticas brasileiras. No ano passado houve acúmulo da exportação de soja e milho em março, e este ano o volume de soja será ainda maior. Ainda será uma safra em que deficiências de transporte, armazenagem, pragas e mão de obra terão impacto econômico direto sobre produtores e cadeia de insumos”, afirma.

Os problemas logísticos ocorridos no ano passado trouxeram reflexos sobre a comercialização desta safra. As vendas antecipadas recuaram, expondo mais os produtores a volatilidade de preços pós-colheita, pois as tradings, depois de arcar, excepcionalmente, com os custos em 2013, transferiram o custo de risco logístico para o valor oferecido aos produtores. 

Milho
Quanto ao milho, a projeção para o de primeira safra (verão) é de 32,1 milhões de toneladas, queda de 8% em relação à safra 2012/13, em área de 6,4 milhões de hectares – redução de 6% sobre a safra passada.

A substituição constante de áreas de milho por soja na Região Sul, em Goiás e Minas Gerais limita o potencial da safra de verão e o volume colhido tem sido suficiente apenas para abastecer o consumo destes estados produtores, sem gerar excedentes. Com isso, nestas regiões, nos últimos anos, os preços de milho têm surpreendido no primeiro semestre, possibilitando boas oportunidades aos produtores.
 
Para o milho de segunda safra (safrinha), a produção estimada é de 44,1 milhões de toneladas, uma queda de 7% em comparação à safra passada, e a área plantada permanece praticamente inalterada em 9,2 milhões de hectares (+2% sobre 2012/13). 

Roteiro
No novo roteiro estabelecido para o Rally, a Equipe 1 será dedicada a percorrer polos de produção de milho verão entre os dias 16 e 24 de janeiro em Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Goiás. 

Na sequência, as Equipes 2 e 3 avaliarão áreas de soja precoce entre os dias 20 de janeiro e 02 de fevereiro, passando por Mato Grosso do Sul, Paraná, Goiás e Mato Grosso.

Já as Equipes 4, 5 e 6 visitarão lavouras de soja e milho entre os dias 17 de fevereiro e 17 de março, no Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Bahia, Piauí e Maranhão. 

Nesta edição, outras duas equipes avaliarão o milho safrinha entre os dias 26 de maio e 13 de junho, passando por Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul e Paraná, complementando assim os dados levantados pela Equipe 1. 

Serão realizadas duas largadas do Rally da Safra: no dia 16 de janeiro em Chapecó/SC, e, no dia 20, em Campo Grande/MS e 12 eventos para produtores rurais (leia calendário abaixo), com palestras sobre o mercado de soja e milho proferidas por analistas da Agroconsult, além de mini palestras técnicas com profissionais da BM&FBovespa e Bayer. 

Organizado pela Agroconsult, o Rally da Safra 2014 chega à 11ª edição patrocinado pelo Banco do Brasil, Bayer, Heringer, Monsanto, Vale e Mitsubishi, com apoio da FIESP, Aprosoja Brasil, Fundação Agrisus, Impar Consultoria no Agronegócio, BM&FBovespa, Universidade Federal de Viçosa e Esalq-Log. Famasul e Aprosoja-MT darão apoios regionais no Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, respectivamente.

O trabalho das equipes e o roteiro completo da expedição poderão ser acompanhados pelo site www.rallydasafra.com.br, com informações atualizadas diariamente no www.twitter.com/RallydaSafra e www.facebook.com.br/RallydaSafra

Agenda Rally da Safra

Soja - Agroconsult

Agroconsult - Milho 1ª Safra

Agroconsult - Milho 2ª Safra

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

3 comentários

  • José Roberto de Menezes Londrina - PR

    A soja precoce é a soja do “SE”. Se chover na hora certa. Se não chover na colheita. Se não ocorrer veranico durante o ciclo. Se não der doença. As lavouras de soja precoce gastam o dobro de sementes por hectare. Enfim, os riscos da soja precoce são maiores que os da soja normal. Tivemos os veranicos de novembro dezembro e janeiro em varias regiões produtoras. Já estamos consumindo a soja de março. Importantes regiões do Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Goiás estão colhendo soja a mais de 10 dias. Os jornais estão mudos. As colhedoras estão andando mais e colhendo menos. Os armazéns estão vazios e a soja ainda está na roça. Podemos ter as chuvas do final de janeiro e inicio de fevereiro. A euforia do churrasco poderia ser equilibrada com um tiquinho da cautela do pão de queijo.

    0
  • Liones Severo Porto Alegre - RS

    Aumento do custo de produção é um FATO. Preços mais baixos é uma HIPÓTESE. Nossa consultoria tem demonstrado com FATOS comprovados, que os preços podem ser os maiores de todos os tempos. Sigam-nos !!!

    0
  • Liones Severo Porto Alegre - RS

    Caro Dalzir, parabéns pelo teu comentário que assino embaixo. Ademais já tem navios nos portos esperando para carregar 2 milhões de tons, por enquanto, muitos ficarão esperando por 2 meses, por opção dos compradores; o que bem demonstra a necessidade de soja pelos mercados consumidores. Este tipo de informação somente serve para depreciar o preço para os produtores e já está em todas as mídias de agronegócios internacionais. As vezes chego a ter dúvidas que estamos no Brasil defendendo nossos produtores e o futuro de nosso país !!!

    0