Grãos recuam e operam com volatilidade em Chicago

Publicado em 16/09/2011 09:55 e atualizado em 16/09/2011 13:29 984 exibições
Após iniciar o pregão regular no lado positivo da tabela, o complexo de grãos perde posições e opera com leve volatilidade na sessão desta sexta-feira em Chicago. Às 12h40  (horário de Brasília) a oleaginosa operava com mais de 5 pontos de perdas no contrato novembro/11. No mesmo horário, milho e trigo também operavam em baixa, com perdas de 6 e 2 pontos, respectivamente, nos principais contratos.

De acordo com a Agência Safras o mercado buscava suporte em compras especulativas, mas acabou revertendo seu posicionamento em função da alta do dólar frente a outras moedas correntes e da fraqueza do petróleo.

Para o analista de mercado Glauco Monte, o complexo de grãos liquida posições motivado pelo cenário econômico mundial pessimista.Hoje, previsões de uma possível recessão em Portugal, um dia depois dos principais bancos mundiais anunciarem medidas para dar maior liquidez aos empréstimos na zona do euro, voltaram a gerar desconfiança no mercado e também puxaram os preços para baixo.

Exportações nos EUA

Ontem os preços dos grãos foram derrubados pelo relatório semanal de exportação do USDA (Departamento de Agricultura dos EUA) que apontou números de embarque da oleaginosa abaixo da expectativa. Segundo o Departamento, na semana encerrada em 8 de setembro, as vendas de soja dos EUA para o exterior somaram 351,9 mil toneladas, sendo que a expectativa inicial ia de 400 a 600 mil toneladas. 

Para o milho, os números vieram dentro do esperado, somando 127 milhão de toneladas para o ano comercial 2011/12. O total, de 1,168 milhão de toneladas ficou acima das apostas dos traders, que esperavam vendas de 400 mil a 700 mil toneladas. Além do relatório, notícias de que as geadas precoces no Meio-Oeste dos EUA foram quase que limitadas à seção norte do estado de Minnesota também ajudaram a desencadear forte movimento baixista logo na abertura do pregão futuro de soja.
Tags:
Por:
Ana Paula Pereira
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário