Câmara Setorial do feijão demonstra medo com o transgênico da Embrapa. Acompanhe debate com Marcelo Luders

Publicado em 11/04/2019 13:00 e atualizado em 11/04/2019 14:55
1585 exibições
Marcelo Lüders (do IBRAFE) diz que o mercado não vai aceitar o feijão transgênico da Embrapa. E a mosca branca?
Marcelo Eduardo Lüders - Presidente do IBRAFE

Podcast

Entrevista com Marcelo Eduardo Lüders - Presidente do IBRAFE sobre o Feijão Transgênico

Download

 

LOGO nalogo

A Embrapa pretende lançar em breve o primeiro feijão transgênico do Brasil, a cultivar RMD, que é resistente ao vírus do mosaico branco.

Contudo, Marcelo Eduardo Lüders, presidente do IBRAFE, detalhou em entrevista ao Notícias Agrícolas que acredita não ser vantajoso o lançamento dessa variedade porque "não vai agregar ganhos" ao produtor.

Ele ressalta que jamais seria contra uma tecnologia que agregasse, mas diz que uma tecnologia dessas só faria sentido na década de 2000. Hoje, na visão de Lüders, existem outras tecnologias no mercado capazes de substituir.

Lüders ainda ressalta que não foi feita uma pesquisa com o consumidor a respeito desse feijão. Grande parte dos empacotadores não concordam em comercializar essa cultivar, já que ela é mais escura e não deve agradar nas gôndolas.

Assim, o presidente detalha que o lançamento dessa tecnologia criaria um desgaste e poderia afetar nas exportações brasileiras de feijão - em um momento no qual há uma tentativa de aumentar o consumo deste.

Por: João Batista Olivi e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

5 comentários

  • Giovani Brazil Passo Fundo - RS

    Parabéns à Embrapa, que em minha opinião deve lançar a variedade. Se ela for de baixa qualidade, o mercado vai dar um jeito nela depois. Acho que ficar censurando o lançamento por antecipação, como estão fazendo, é o verdadeiro tiro no pé à soberania nacional. Será que é melhor comer alimentos que fez várias aplicações de pesticidas, ou um produto que se sabe que não recebeu tanto veneno? Já houve tempo suficiente para ver que os OGMs nao são de todo ruim. Me desculpem, mas ser contra o mero lançamento de uma variedade pela Embrapa, não contribui e é pensar a curto prazo em se tratando de soberania nacional. Quando a ideologia toma conta de um setor, nada anda. Por mais que insistam que a 'discussão não é essa'... claramente dá pra ver o que está por trás dessa censura.

    5
  • Radir Neto Belo Horizonte - MG

    A EMBRAPA Arroz e Feijao não produziu nada de útil ou novo nos últimos 15 anos. Se especializou em maquiar lançamentos antigos. Neste período se tornou um centro de esquerdistas e de disputa de egos esquecendo da sua missão. Não vejo a razão para discutir sobre feijao carioca de forma alguma. Este feijao sobra a maior parte do tempo. Se esta variedade GMO fosse boa, a pirataria já estaria plantando. Do outro lado o consumidor só se alimenta com GMO se não sabe ou não tem opção. O futuro é dos alimentos íntegros, da proteína de pulses definitivamente NÃO É DOS ALTERADOS GENETICAMENTE gostemos ou não. Como toda estatal EMBRAPA está falida inchada e chegou atrasada além de agora querer maquiar algo falho. Sr. João se atualize o mundo muda tão rápido que pode ser que você esteja na contramão... Parabéns nosso Lüders ou Líder.

    23
  • João Alves da Fonseca Paracatu - MG

    O consumidor é a principal razão do desenvolvimento de um produto e/ou serviço..., no momento em que vivemos o lançamento de uma cultivar de feijão GMO considero que a cultivar não beneficia o consumidor porque não ajuda no consumo e, ao mesmo tempo, pune o produtor de feijão... que verá minguar o uso de seu produto como aliás vem acontecendo muito ultimamente... Penso que a pesquisa deveria centrar esforços num aumento de consumo e não em um lançamento que vem para embaralhar ainda mais a cabeça do consumidor... (PS.: Não sou contra a tecnologia, muito menos sou contra o uso da transgenia, mas temos de tomar cuidados pra não atirar no próprio pé). ... Saudações mineiras,uai!

    26
  • Karoliny Garcia Curitiba - PR

    É um absurdo o lançamento dessa cultivar! Vivemos um momento em que o mundo privilegia alimentos NO-GMO! Isso seria terrível para as exportações! Mas, principalmente, o custo não compensa o ganho! Ao meu ver, é uma tecnologia que não traz avanços de fato!

    24
    • carlo meloni sao paulo - SP

      pois e' ,, depois da Embrapa ter gasto tempo e dinheiro, KAROLINY acha que as nossas exportaçoes de feijao ( sera' que temos?) serao altamente prejudicadas---

      8
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      O principal problema das estatais é que se não der certo, eles não perdem nada. Os pesquisadores continuam recebendo seus salários, pagos com impostos, eles não tem nenhum tipo de prejuizo, aquilo que Nassim Taleb chama de pele em risco. Não perdem o emprego, não tem responsabilidade alguma sobre prejuizos a terceiros. Se fosse uma empresa privada considero que não haveria problema, o prejuizo cairia no colo dos donos da empresa também. Aliás esse é um problema que também ocorre com politicos e burocratas, eles não arcam com prejuizo algum sobre suas decisões, quem paga a conta é sempre os outros.

      7
  • Gustavo Alves Guarda-mor - MG

    Quando o mercado consumidor sinaliza uma demanda para alimentos mais saudáveis, trazemos uma discussão desnecessária sobre uma tecnologia pouco aceita (quando se há outra opção). Transgênicos já não são bem quistos no mercado consumidor e colocar essa bandeira em um produto altamente consumido na mesa das famílias que buscam uma vida mais saudável e alimentos de maior qualidade, seria um tiro no pé dos produtores e da cadeia feijoeira. Ao invés de evoluir trazendo opções com valor agregado maior, estamos regredindo e o pior sabendo que não terá boa aceitação do mercado consumidor. Venderemos o feijão transgenico para quem?

    20
    • Giovani Brazil Passo Fundo - RS

      Pois é, o uso dessa variedade de feijão RDM evitará a aplicação de toneladas de pesticidas no ambiente e no alimento que consumimos quase todos os dias. Não enteno a posição destes que são contra... Afinal, querem o que? Contaminar o ambiente e a comida com veneno, ou um produto que evita boa parte dessas aplicações? Parabéns à Embrapa por lançar o produto; pode ser que esteja atrasado, que não seja o melhor feijão do mundo e escambau; mas temos que quebrar o ciclo de tanto uso de venenos na nossa comida, e esse feijão contribui um pouco pra isso. Falei

      2