Soja: Com ausência de chuvas, safra já registra quebra de até 30% em Bagé (RS)

Publicado em 12/03/2018 11:11 e atualizado em 12/03/2018 15:07
2193 exibições
Cerca de 50% da produção está em fase de enchimento de grãos na região. Lavouras em áreas de várzea apresentam melhores condições e cultivares semeadas mais cedo registram perdas mais significativas. Chuvas são previstas na localidade a partir do final dessa semana. Preços reagiram e saca é cotada entre R$ 75,00 a R$ 76,00 em Bagé (RS).

LOGO nalogo

Em Bagé/RS, os produtores rurais estão preocupados com as lavouras de soja, já que ausências de chuvas na região comprometeram o desenvolvimento da planta. Com isso, já é possível estimar que a atual safra 2017/18 vai ter uma quebra de até 30% e a colheita das variedades precoce deve iniciar na segunda semana de março.

De acordo com o presidente do Sindicato Rural do município, Rodrigo Borba Móglia, as lavouras em áreas de várzea apresentam boas condições, mas as variedades de ciclo mais precoce cultivadas mais cedo registram perdas. “Com estiagem nos meses de janeiro e fevereiro, foi registrada queda de vagens e enchimento de grãos prejudicados. Por isso, nós estimamos uma quebra em torno de 25% a 30%”, destaca.

Diante desse cenário, os agricultores acionaram seguro para algumas lavouras cultivadas com variedades precoces que ficaram prejudicadas por conta da estiagem e da chuva de granizo. No entanto, ainda estão sendo feitas as vistorias nestas áreas.

As previsões climáticas indicam chuvas para os próximos dias na região. A liderança ressalta que precipitações devem amenizar as perdas no potencial produtivo, principalmente das áreas de ciclo mais longo. “A temperatura deve ficar em torno de 14 º a 15 º C e vamos ter um acumulado de chuvas bem significativo de 60 a 70 mm”, afirma.

Em relação à sanidade das lavouras, os produtores rurais não tiveram muitos problemas com a incidência de doenças e pragas nesta temporada. “Até pela a falta de umidade não teve problemas com doenças de fim de ciclo e não encareceu os custos de produção”, diz.

Comercialização

Na localidade, as referências para a soja gira por volta de R$ 75,00 a R$ 76,00 a saca, visto que a alta nos preços na Bolsa de Chicago (CBOT) refletiu nas cotações do mercado interno. “Dependendo da produtividade, os valores nestes patamares cobrem os custos de produção. Nesta temporada, devido a baixa rentabilidade os produtores não fizeram fixação dos preços e apenas 15% da safra já foi comercializada”, finaliza a liderança.

Por: Fernanda Custódio e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário