Com plantio atrasado devido à seca, Aprosoja PI estima queda de 15/20% na produção dessa safra

Publicado em 10/01/2019 10:57 e atualizado em 10/01/2019 15:32
932 exibições
Apesar do clima favorável no início do plantio, seca de até 30 dias prejudica lavouras e colheita deve ficar a baixo das 2,3 milhões de toneladas registradas na última safra.
Altair Fianco - Diretor da Aprosoja PI

Podcast

Entrevista com Altair Fianco - Diretor da Aprosoja PI sobre o Acompanhamento de Safra da Soja

Download

LOGO nalogo

O estado do Piauí começou o plantio de soja de maneira antecipada, ainda no mês de outubro, aproveitando as boas condições climáticas naquele período. Porém, a partir o do dia 8 de dezembro as chuvas cessaram e retornaram apenas na segunda semana de janeiro. Com esses 30 dias sem chuvas constantes no estado, o produtor teve dificuldades para finalizar a implantação da lavoura, obrigou algumas áreas a serem replantadas e existem regiões ainda plantando.

Todos esses obstáculos já levaram a Aprosoja Piauí a consolidar um número de perda de produtividade entre 15 e 20% para a colheita que deve começar na segunda quinzena de fevereiro e se intensificar no mês de março. “Na semana passada a Aprosoja fez um levantamento em todo o estado e chegou em um número aproximado de 15 a 20% de quebra já consolidada. Esse número tende a se estabilizar caso a chuva continue daqui para frente, mas já temos esse prejuízo que não se reverte mais. Já trabalhamos com o número aproximado de 1,9 milhão de toneladas contra os 2,3 milhões do ano passado”, destaca Altair Fianco, diretor da Aprosoja PI.

Outro fator que preocupa o produtor piauiense é a dificuldade para escoar a produção após a colheita. Pensando nisso, a Aprosoja do estado está buscando articular ações para poder melhorar essa situação. “Nessa semana nós estivemos em Teresina peregrinando nos órgãos competentes e temos uma audiência marcada com o governador na segunda-feira para discutir esse problema, já que há muito tempo não é feito em nada sobre melhoria da infraestrutura, principalmente no quesito estrada”, conta Fianco.

Confira a entrevista completa no vídeo.

Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário