Semana acaba com milho desvalorizado na Bolsa de Chicago

Publicado em 06/09/2019 17:04 e atualizado em 09/09/2019 09:05
315 exibições
Cotações caíram cerca de 1% nesta sexta-feira e 4% na semana

LOGO nalogo

A semana chega ao final com desvalorizações para os preços internacionais do milho futuro na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram baixas entre 3,00 e 4,00 pontos nesta sexta-feira (06).

O vencimento setembro/19 foi cotado à US$ 3,42 com queda de 4 pontos, o dezembro/19 valeu US$ 3,55 com desvalorização de 3,25 pontos, o março/20 foi negociado por US$ 3,68 com baixa de 3 pontos e o maio/20 teve valor de US$ 3,77 com perda de 3,25 pontos.

Esses índices representaram desvalorizações, com relação ao fechamento da última quinta-feira, de 1,16% para o setembro/19, 0,84% no dezembro/19, de 0,81% para o março/20 e de 0,79% para o maio/20.

Com relação ao fechamento da última sexta-feira (30), os futuros do milho acumularam desvalorização de 4,47% no contrato setembro/19, e valorizações de 3,79% no dezembro/19, de 3,66% no março/20 e 3,33% no maio/20 na comparação dos últimos sete dias.

Segundo informações da Agência Reuters, os futuros de milho dos Estados Unidos caíram para o mínimo de vida contratual na sexta-feira, pressionados por decepcionantes dados semanais de exportação dos EUA e previsões de clima benigno no coração do cinturão agrícola do Centro-Oeste.

“Além disso, as previsões apontam chuvas benéficas na próxima semana em partes do Cinturão do Milho, sem sinais de um período frio que poderia encurtar a estação de crescimento das culturas de milho e soja que amadurecem este ano”, comenta Julie Ingwersen da Reuters Chicago.

“O clima nos EUA não é ameaçador. Não esperamos geadas ou congelamentos até o final do mês”, disse Terry Reilly, analista sênior da Futures International em Chicago.

Ainda nesta sexta-feira, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulgou seu novo reporte semanal de vendas para exportação mostrando vendas de 582,6 mil toneladas de milho, enquanto as expectativas do mercado variavam de 500 mil a 900 mil toneladas. 

Mercado Interno

No mercado físico brasileiro, a sexta-feira registrou cotações permanecendo sem movimentações, em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, a única valorizações registrada aconteceu em São Gabriel do Oeste/MS (+ 5,66% e preço de R$ 28,00).

Já as desvalorizações foram percebidas nas praças de Assis/SP (1% e preço de R$ 29,70), Campinas/SP (1,31% e preço de R$ 36,94), Dourados/MS (1,64% e preço de R$ 30,00), Ubiratã/PR, Londrina/PR e Cascavel/PR (1,79% e preços de R$ 27,50), Sorriso/MT disponível (6,98% e preço de R$ 20,00) e Sorriso/MT balcão (13,15% e preço de R$ 18,50).

Veja mais cotações desta sexta-feira.

Em entrevista ao Notícias Agrícolas nesta sexta-feira, o consultor da INTL FCStone, Étore Baroni, comentou que a produção desta segunda safra deve atingir o patamar de 70/72 milhões de toneladas, totalizando 100 milhões de toneladas ao unir os números da safra verão, e cerca de 70% da safrinha já foi negociada, com preços bastante atrativos aos produtores.

Já quando olha para as exportações, o Brasil já embarcou 19,5 milhões de toneladas até o mês de agosto, e o analista espera atingir as 25 milhões de toneladas (total registrado em 2018) já em setembro, finalizando o ano com aproximadamente 35 milhões, mantendo o ritmo de alta.

Apesar do alto índice exportado, Baroni acredita que não deva faltar milho no Brasil, mas mesmo assim, os preços devem seguir ganhando força, o que garante uma melhor oportunidade ao produtor armazenar o restante de sua produção para buscar vendas em outros momentos.

Relembre outras notícias sobre o milho desta semana:

>> Média diária de exportações brasileiras de milho em agosto foi 183,2% maior do que ano passado

>> Itapeva/SP tem queda de produtividade no milho e trigo, mas espera boa safra de soja 19/20

>> Imea indica aumento de 2,89% no preço do milho em Mato Grosso

>> Após problemas na segunda safra de milho, Lucas do Rio Verde/MT espera bom rendimento na soja

>> Produtividade do milho 2ªsafra fica 36% maior em Maracaju/MS e produtores agora aguarda volta das chuvas para plantar a soja

>> Colheita do milho safrinha avança para 98% no Paraná, segundo Deral; plantio da safra verão já começou

>> Produtores de Ponta Grossa/PR já iniciaram plantio do feijão e milho verão, e devem semear a soja a partir do dia 15

>> Produtividade da segunda safra de milho em Rondonópolis/MT fica 10% maior e expectativa agora é para plantio da soja

>> Preços do milho e exportações brasileiras devem seguir aumentando nos próximos meses, aponta consultor da FCStone

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário