Lideranças contestam estudo que questiona potencial agrícola do Matopiba

Publicado em 24/11/2016 08:34 2961 exibições
Confira a entrevista de Gisela Introvini - Superintendente Fapcen
Desafios do Matopiba têm sido driblados com pesquisa, tecnologia e acompanhamento das fases cíclicas do clima, levando os índices de produtividade a níveis satisfatórios. Desenvolvimento, porém, ainda esbarra na falta de atenção do Governo Federal e de infraestrutura, apesar do potencial logístico. Região conta com 73 milhões de hectares e, destes, 35 milhões já estão aptos à produção de alimentos. 11 milhões, destinados à preservação ambiental.

Podcast

Liderança do agro do Maranhão contesta dados de estudo sobre o potencial agrícola do Matopiba

Download

 

Uma pesquisa divulgada pelo jornal Valor Econômico, realizada pela consultoria Agroicone, contesta o potencial agrícola do Matopiba, que segundo eles, já estaria "perto do limite".

A CEO e superintendente da Fundação de Apoio à Pesquisa do Corredor de Exportação Norte (Fapcen), Gisela Introvini, que atua em Balsas (MA), contesta a pesquisa e lembra que muitos pesquisadores, como Evaristo de Miranda, da Embrapa Monitoramento por Satélite, estiveram presentes na área, levados pela atual senadora e ex-ministra da Agricultura Kátia Abreu (PMDB-MA), percorreram a região a campo e começaram a visualizar a capacidade de desenvolvimento da região. Ela lembra também que "tudo é questão de ciclo" e que um estudo não pode ser baseado apenas nas três últimas safras. Neste ano, a região já trabalha com otimismo e, com a safra plantada, os produtores esperam por uma superssafra, diferente do ocorrido nos anos anteriores.

Ela aponta que o primeiro desafio na região foi o desenvolvimento da genética da soja, onde a Embrapa teve participação importante no processo, criando uma cultivar adaptada para as baixas altitudes, "que revolucionou o Cerrado brasileiro". A partir de 2008, segundo ela, a região se transformou. Foram permitidas cultivares de ciclo precoce que deixaram mais palha no solo e algumas propriedades se tornaram modelo a nível internacional, com alguns perfis de solo simulando uma "floresta invertida".

A veracidade do estudo é contestada, portanto, pela CEO, uma vez que houve ausência de uma pesquisa realizada a campo na região. "Uma reportagem desastrosa como essa pode interferir e matar uma região. E isso nós não podemos admitir", diz. Ela também acrescenta que a única observação procedente é de que não é possível avançar para as áreas do semiárido da Bahia e do Piauí, mas que ainda há muito potencial agrícola no centro do Maranhão que ainda não foi aproveitado.

Veja ainda o posicionamento do presidente da Aiba (Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia), Julio Cézar Busatto, em entrevista ao Notícias Agrícolas:

>> Aiba contesta dados do estudo sobre a limitação de expansão de área para a produção de grãos na região do Matopiba

E, na sequência, a nota de repúdio da Aprosoja PI:

>> Aprosoja PI divulga nota de repúdio sobre estudo que mostra potencial limitado do Matopiba

A técnica do plantio direto evoluiu junto com a agricultura no Matopiba. Para Gisela, a introdução das braquiárias foi um grande feito e hoje está havendo entrelaçamento entre as regiões produtoras do estado do Maranhão. "A Embrapa está para lançar o gado tropical, o que é muito interessante para as nossas regiões", conta. "Precisamos de pesquisas direcionadas para esses avanços".

Ainda há muito espaço para percorrer. Gisela aponta ainda que o centro do Maranhão se encontra em situação de miséria, uma vez que o estado, juntamente com o Piauí, figura entre os mais pobres do país. Ela acredita que o avanço da cultura da soja poderá trazer transformação de renda e de empregos para estas áreas, criando um novo cenário que ainda deve ser desbravado no estado. Uma vez que a gestão anterior do Ministério da Agricultura havia planos para essa expansão, ela espera que o atual ministro, Blairo Maggi, dê continuidade a esses planos, salientando também a necessidade de escolas técnicas e de cursos profissionalizantes destinados ao agronegócio na área, gerando mais treinamento para uma mão-de-obra qualificada. "A Bahia já está resolvida neste caso, mas o Piauí e o Maranhão, ainda não", afirma.

Outro ponto a ser tratado é a questão logística. Para ela, "a partir do ponto em que existir uma estrada [melhor, em relação às atuais] irá fomentar outros nichos interessantes, o que vai ser bom para todo mundo, ajudar tanto os grandes [produtores] quanto os pequenos", acredita. O transporte fluvial da região é beneficiado pelo Porto de Itaqui, mas existe um problema logístico por conta da situação das estradas, o que faz o frete ficar mais alto da propriedade até o transbordo. Por outro lado, a região é facilitada para exportar à Europa e também para a China, por meio do Canal do Panamá.

São 73 milhões de hectares disponíveis na região. 35 milhões de hectares já estão aptos e 11 milhões de hectares estão destinados para a preservação. Ela chama atenção ainda para o grande potencial dos rios, a partir dos quais poderia ser feito um estudo sobre sua perenização e, assim, manter o lençol freático, ter reserva de águas de chuva e outros fatores que poderiam vir, de alguma forma, minimizar os efeitos da seca em determinados locais.

A região já atrai o interesse de investimentos estrangeiros, uma vez que a Europa compra créditos de soja responsável, resultado de uma parceria com a Associação Internacional de Soja Responsável (RTRS). Falta, agora, uma maior atenção para que a região se desenvolva por completo. "Aqui é desafiador e você vê uma mudança de cenário a todo o momento", conta Gisela, que, assim como muitos produtores, é imigrante vinda da Região Sul do país.

O mês de novembro veio com muitas chuvas e os agricultores estão "otimistas e satisfeitos", torcendo para que seja um ano de superssafra.

Por:
Carla Mendes e Izadora Pimenta
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

2 comentários

  • ROBERTO ANDREA MAFFESSONI Cascavel - PR

    NOTA-SE o novo ministro da agricultura é MATOGROSSENSE, e só pensa em si e na região de Sapezal. Quanto menos se investir em outras areas, mais ele vai investir na região dele. pode-se dividir os investimentos. Mas ele nunca fará isso, vem do convivio com o lula.e petistas, venha a nós o dos outros., estão matando o matopiba desde que este ministro entrou.

    6
  • Eduardo Lima Porto Porto Alegre - RS

    Excelente entrevista com a Dra. Gisela Introvini. Muito bom saber que nessa região se encontram lideranças com esse gabarito técnico e com enorme lucidez... Não querendo ser leviano, mas me parece que a reportagem do Valor Econômico pode eventualmente ter sido influenciada por pessoas ligadas àquele Clã Político-Familiar que domina o Maranhão e vastas áreas do Nordeste. Recentemente, o Ministro do Ambiente Sarney Filho, que coincidentemente é integrante dessa Família, festejou a proibição da produção agrícola em áreas do Bioma Amazônico e manifestou que revisaria a atividade produtiva no Cerrado. O Maranhão e o Piauí são verdadeiros Currais Eleitorais de gente ligada a essa Família e a outros Coronéis da Política Nordestina que se locupletam há décadas com a pobreza das suas regiões. Progresso e Desenvolvimento Econômico fora do eixo de poder dessas Castas não interessa.

    Me lembrei de uma frase de São Tomás de Aquino: "Para ser virtuoso, é preciso ter um pouco de condição material". É essa condição que traria independência econômica para a região que os Parasitas da Política Regional e Nacional não desejam. É mais fácil expor a pobreza em peças publicitárias e reportagens, criar programas de esmola e assistencialismo populista que permitem desvios e apropriações, do que fomentar realmente o desenvolvimento de maneira séria.

    É uma lástima que o Valor Econômico não tenha analisado mais a fundo a consistência das informações que veio a publicar, tampouco as conseqüências que uma difusão mal feita poderia trazer para a região.

    Por outro lado, é um alerta importante para os Empreendedores da região para que se unam em torno de um plano de comunicação que difunda as potencialidades e resultados auferidos com os investimentos e esforços realizados.

    1
    • carlo meloni sao paulo - SP

      eu entendo a revisão da atividade produtiva no cerrado amazônico como um empecilho para depois lhes vender facilidades------POLITICO PENSA DIA E NOITE COMO DESCOBRIR UM JEITO DE BOTAR A MAO NO DINHEIRO DOS OUTROS

      0
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      Prezado Eduardo uma frase muito feliz essa: "É mais fácil expor a pobreza em peças publicitárias e reportagens, criar programas de esmola e assistencialismo populista que permitem desvios e apropriações, do que fomentar realmente o desenvolvimento de maneira séria". Estava ontem pensando a mesma coisa em relação aos indios. Depois que tacam fogo em lavouras, matam gado, invadem, depredam, agridem, matam,...aparecem os politicos em programas de tv, falando em tom solene e sério sobre suas preocupações sobre o problema, seu empenho, trabalho para resolver os conflitos, etc... quando na verdade aquilo também é uma peça publicitária, e que engana muitos inocentes que acreditam nesses politicos que são mais bandidos que os indios. Precisamos eliminar os que vivem de fomentar os conflitos para depois denuncia-los. Nenhum país suporta isso sem ir para a vala.

      0
    • Gisela Introvini Balsas - MA

      Agradeço o apoio e consideração de todos, se devemos mudar o Brasil é chegado a hora, realmente nos falta uma estrategia que venha sobrepor alternancias de governos e novos planos para contrapor ideias não bem vivenciadas e entendidas. A cada troca de Governo aqui é um desgate enorme ate entenderem qual é a linguagem que devemos utilizar, ser a ponte disso tudo é muito complicado, poucos entendem.

      0
    • Eduardo Lima Porto Porto Alegre - RS

      Prezado Rodrigo, muito obrigado pela consideração. Seus comentários são igualmente pertinentes e buscam a convergência típica das pessoas de bem. Prezada Dra. Gisela, apesar de nunca ter vivenciado uma situação como a sua, me parecem muito claras as dificuldades culturais e os conflito de interesses que a sua região enfrenta. Não sou especialista em Comunicação, mas penso que o seu trabalho requer uma blindagem muito séria que revele com transparência os objetivos macro, a forma como os esforços e recursos são aplicados e os resultados que estão sendo alcançados. Esse é um diferencial que o setor público brasileiro desconhece, ainda mais nessa região. Pode ser uma alternativa para que as pessoas respeitem o trabalho e reconheçam com fundamentos o potencial do MATOPIBA.

      0
    • Marcio Luis Walker Luis Eduardo Magalhaes - BA

      Eu não consigo imaginar um estudo sério publicando tamanha mentira, claro que talvez algum interesse maior possa contribuir para isso. Mas quem estaria interessado em prejudicar a atual maior fronteira agricola do pais

      0